Comitiva do Ministério das Comunicações para o 5G visita Huawei na China

Comitiva do Ministério das Comunicações na China. Foto: Reprodução/Twitter

Em viagem pelos países dos principais fornecedores de redes de telecomunicações, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, chegou em Shenzhen, na China, cidade próxima à divisa com Hong Kong e onde fica a sede da Huawei. Batizada pelo próprio ministério de "Missão 5G", as viagens têm a justificativa de procurar entender melhor sobre a tecnologia de quinta geração, em especial no contexto da discussão em torno do leilão de espectro da Anatel.

Nesta quinta-feira, 11, Faria postou no Twitter que visitou na cidade chinesa o centro de aplicações práticas de 5G (como telemedicina) Galileo, além do laboratório de segurança cibernética da Huawei para "debater padrões globais e requisitos brasileiros de confiabilidade de redes". Apesar de anunciada, a visita gerou críticas dos próprios apoiadores do governo.

Notícias relacionadas

Como era de se esperar, a publicação não resultou em respostas positivas da base de apoio do governo na rede social, na qual acusam a China de problemas de segurança e soberania. Também sem surpresas, as postagens sobre as visitas na Suécia, Finlândia e Japão, não houve tantas manifestações.

No final da tarde desta quinta-feira, o ministro procurou endereçar no próprio Twitter as reclamações dizendo que "o 5G é inegociável".

A comitiva dessa turnê mundial entre fornecedores inclui ainda o secretário-executivo do MCom, Vitor Menezes, e com a presença de ministros do Tribunal de Contas da União (TCU). Além do assunto relacionado ao 5G, Fábio Faria tem procurado também entrar em discussões com laboratórios que produzem vacinas contra a covid-19. O grupo deveria passar por cinco cidades, mas precisou cancelar sua ida a Seul, na Coreia do Sul, por conta de um caso de Covid-19 – um dos pilotos do avião da comitiva deu positivo para a doença. Lá, o ministro visitaria as instalações da Samsung.

Vale lembrar que, no auge da discussão sobre a proibição de fornecedores chineses no leilão de 5G (e sob forte pressão da administração do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump) Faria já havia se reunido com representantes da Ericsson e da Nokia no Brasil, no mesmo dia, para falar sobre a tecnologia 5G no ano passado. A Huawei não chegou a ser recebida na ocasião. Operadoras já se manifestaram contra um eventual banimento da companhia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.