PLC 79 tem votação adiada para esta quarta-feira, 11

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

O PLC 79/2016 não teve sua votação concretizada na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) do Senado nesta terça. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) pediu vista do novo relatório apresentado hoje pela senadora Daniella Ribeiro (PP-PB). O pedido do senador de Sergipe foi seguido por um pedido de vista coletiva, solicitado por outros senadores. A votação do novo texto da senadora Ribeiro, apresentado minutos antes da reunião da CCT desta terça-feira começar, ficou para a reunião desta quarta-feira, 11.

No novo texto, a senadora rejeita todas as emendas apresentadas em plenário pelos senadores Paulo Rocha (PT-PA) e Humberto Costa (PT-PE) e retira a subemenda de redação que havia apresentado no relatório anterior, publicado no último dia 30 de agosto.

A emenda proposta pela senadora no seu primeiro relatório foi justificada como uma emenda de redação, já que a forma como a proposta no texto original do PLC está redigido suprime três parágrafos, relativos ao pagamento, à desistência e às hipóteses de indeferimento dos pedidos de prorrogação da concessão, que devem ser mantidos. Assim, ela faz um sutil ajuste de redação, incluindo apenas a sinalização padrão de redação legislativa com os pontos repetidos (……..) que indicam a manutenção dos incisos hoje existentes no artigo 99 da LGT, que estabelecem as condições para a renovação da concessão.

Mas a modificação feita por Daniella Ribeiro foi encarada por alguns como uma emenda de mérito, e não apenas de redação, o que gerou insegurança sobre a aprovação do texto ou a necessidade de remetê-lo novamente para a Câmara. A este noticiário, Ribeiro disse que retirou a sua emenda de redação para "evitar uma politização" sobre um aspecto tido como técnico.

Desenvolvimento Regional

O senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL) apresentou uma preocupação relativa ao desenvolvimento regional do serviço. Nesse sentido, fez uma pergunta à senadora se existe alguma amarra no projeto que garanta o investimento regional dos recursos que ficarão liberados com a aprovação deste PL. A senadora respondeu dizendo que as garantias estão dadas pela Anatel e na lei 9472/1997 (Lei Geral de Telecomunicações – LGT), juntamente com a atuação do Tribunal de Contas da União na fiscalização dos investimentos desses recursos.  "Estas são as garantias que estão postas no texto", disse a parlamentar.

O senador Paulo Rocha também acompanhou o raciocínio de Rodrigo Cunha e lembrou que quando o setor foi privatizado havia também uma promessa de investimentos em todo o território nacional. "Naquela época, já falávamos sobre as diferenças regionais que o setor pode impor nos investimentos. Hoje, estamos vendo isso mais uma vez. O destravamento só acontece se vier junto com uma política de governo para ampliar o serviço. Na Amazônia, temos cidades com diferentes níveis populacionais e todas essas pessoas residentes dessas cidades, grande ou pequenas, devem ter acesso à Internet, ao serviço de telecomunicações", disse.

Paulo Rocha também lembrou que se o Senado aprovar o projeto sem uma clara política de governo, não há destravamento de recursos nenhum. "Somente uma política de governo pode garantir investimentos em áreas onde não há interesse comercial das empresas. O mercado tem seus interesses e nem sempre eles são os interesses do povo", ressaltou o parlamentar. Rocha disse que é possível haver uma apresentação de um voto em separado, caso o compromisso do desenvolvimento regional não fique explícito no texto da lei. "É preciso garantir um efetivo desenvolvimento de país", disse o senador paraense.

Caso o relatório de Daniella Ribeiro seja aprovado nesta quarta-feira, 11, existe a possibilidade de o texto entrar na pauta do Plenário do Senado para ser votado ainda no mesmo dia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.