Android TV quer simplificar distribuição de conteúdos multiplataforma

Um dos lados mais desafiadores da distribuição de conteúdos multiplataforma é a complexidade de transformar esse discurso em realidade. O discurso de que os conteúdos precisam estar em todas as telas, que o consumidor quer assistir o que quiser, quando quiser e como quiser é velho – ainda que continue relevante, como mostram as discussões no IBC 2015, principal evento de TV da Europa, que acontece esta semana em Amsterdã. O difícil é como fazer.

É aí que empresas como Google e Apple se posicionam. "Façam seus conteúdos e nós entregamos". Para Thomas Rield, head de parcerias globais da plataforma Android TV, do Google, o desafio das empresas de conteúdo é alcançar todas as pessoas online, seja em smartphones, TVs, tablets ou outras plataformas (como veículos, por exemplo). A plataforma Android TV quer se posicionar aí, a exemplo da concorrente Apple. "Android TV é uma forma de permitir que conteúdos sejam automaticamente adaptados para todos os devices, em todas as geografias. É uma forma de integrar conteúdos, plataformas, métodos de pagamento", resumiu em sua apresentação no IBC, ainda que, sabidamente, o Google ainda esteja patinando em conquistar a principal plataforma de TV, que são os grandes televisores. A aposta no Chromecast, dongle que permite a integração, ainda parece apenas uma aposta, que rivaliza com outras caixas conectadas, como Roku Box ou a própria Apple TV. "Não dá para dizer (se o consumo de conteúdos online) mudará os modelos de negócio radicalmente, pois as pessoas ainda querem sentar e assistir TV e os gostos ainda são muito específicos. Mas é preciso entender que as pessoas estão se conectando em mais canais e o interesse está mais fragmentado, o que não significa que as pessoas não querem mais apenas uma fonte de conteúdo premium". Para Rield, esse novo ambiente abre a possibilidade de novas receitas. "A experiência recente nos mostra que as pessoas pagam por conteúdos, desde que o preço seja justo e o modelo seja simples", diz ele, citando os modelos de venda de conteúdos sob demanda ou venda em lojas, como Google Play ou Apple Store.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.