Anatel não antecipa análise regulatória, mas impõe cautelar para evitar troca de informações

O Conselho Diretor da Anatel aprovou nesta quinta-feira, 10, medida cautelar impedindo que a Sky tenha qualquer relação com Time Warner até que a agência se manifeste sobre a questão regulatória da operação de compra da companhia de conteúdo pela AT&T, controladora da operadora de TV por satélite. A agência, contudo, manteve a sua decisão de não fazer a análise regulatória enquanto o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) não fizer o julgamento concorrencial do caso. A proposta, do conselheiro Leonardo de Morais, pretende evitar a troca de informações entre as empresas em uma operação que pode fazer frente a dispositivo legal, no caso, a Lei do Serviço de Acesso Condicionado.

Segundo Morais, a ideia é preventivamente congelar o possível relacionamento entre a Sky e a AT&T para evitar que a primeira tenha acesso a informações sensíveis das concorrentes que são atendidas pela segunda. Da mesma forma, que a Time Warner tenha acesso às informações de outras produtoras de conteúdo que tenham acordos com a Sky. "Ou seja, é um tipo de chinese wall (Muralha da China)", afirmou o relator.

O conselheiro negou o pedido de reconsideração proposto pela Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) e pela Associação Brasileira de Televisão (Abratel). As entidades pediam a alteração da manifestação encaminhada pela a agência ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), salientando os perigos de confronto a Lei de SeAC, caso a operação seja aprovada. "Esse pedido é incabível no ordenamento da agência", disse o relator.

A manifestação da Anatel ao Cade sobre a operação ressalta que somente analisará a operação depois de aprovada pelo órgão antitruste, apesar da procuradoria especializada apontar indícios de afronta aos artigos 5º e 9º da lei da TV por assinatura. Já a área técnica da agência não vê problema na fusão. Apenas o conselheiro Anibal Diniz, relator do posicionamento enviado ao Cade, foi contra a cautelar. Para Igor de Freitas, a medida cautelar é necessária em operações como essa, pois uma vez concretizada se torna difícil fazer os ajustes necessários.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.