Para Globo, ISPs deveriam atuar em conjunto na oferta de serviços de vídeo

Marcelo Bechara, diretor de relações institucionais do Grupo Globo

Os provedores de Internet, os ISPs, representam um ponto de contato importante dos serviços de streaming com seus assinantes. Em abril, cerca de 40% dos 36,46 milhões de assinantes de banda larga fixa no Brasil eram clientes dos ISPs. Há, entre alguns dos principais players de vídeo OTT, o interesse em trabalhar em parceria com estes provedores, mas ainda é necessário superar o desafio de encontrar um modelo de negócios benéfico a ambos os lados. De acordo com Marcelo Bechara, diretor de Relações Institucionais e Regulações de Mídia da Globo, é difícil encontrar o papel de dos ISPs na comercialização do Globoplay quando a margem através das lojas de aplicativos é significativamente maior. O executivo falou durante o Inovatic 2021, realizado pelo Telesíntese.

Não é que a Globo não esteja disposta a abrir mão de uma fatia do bolo do streaming. Como lembra Bechara, o grupo fechou parceria até mesmo com concorrentes para oferecer um pacote interessante aos assinantes, mencionando os acordos com o Disney+ e com o Deezer.

Segundo o executivo, a Globo está há dois meses tocando projetos pilotos com dois ISPs "de maior porte". Estão em experimentação a criação de pacotes com os provedores, o billing, qualidade de entrega, instalação de CDNs e a relação na troca de dados. "Ele passa a cobrar a conta no meu lugar. Hoje eu faço isso ou tenho as app stores para resolver. Percebo que pensar num B2B2C pode não dar a mesma margem que o B2C dá. Temos que pensar em como criar uma escala junto aos ISPs", propõe Bechara.

Notícias relacionadas

Para o diretor da Globo, quando somados, os ISPs têm uma base relevante, poderiam se unir para criar uma plataforma que agregue conteúdos. Em um modelo "no atacado", talvez possam oferecer uma margem que faça sentido.

Estratégia de lançamento

David Nagib, gerente comercial sênior da ViacomCBS, conta que o serviço Paramount+ foi lançado com ênfase nos ISPs como estratégia de lançamento. Para ele, há um relacionamento benéfico a ambos os lados nos lares onde o serviço de streaming chega através dos ISPs e o grupo pretende ampliar a base através destas parcerias.

Ele lembra que, além dos ISPs, o Paramount+ também se beneficia de outros parceiros que atuam como market place de conteúdos, como o Mercado Livre e o Prime Video, da Amazon. "Mas o B2C também é uma realidade nossa", diz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.