Estratégia da Telefónica com OTT na Espanha não canibaliza TV paga, diz COO

A Telefónica planeja o lançamento de seu próprio serviço over-the-top na Espanha no próximo mês, mas a estratégia da companhia continua ligada à oferta de convergência. Como há menor penetração da TV paga naquele país, a companhia entende que o serviço poderá "capturar oportunidades", mas sem matar a TV por assinatura, conforme declarou em teleconferência de resultados trimestrais nesta sexta, 10, o COO da companhia, Ángel Vilá. 

A questão é que o mercado espanhol tem baixa penetração da TV paga comparada à média europeia, segundo o executivo. São entre 35% e 45% na Espanha, contra 60% a até quase 100% de penetração na Europa, segundo Vilá. "Vemos uma oportunidade de crescimento", declara. 

Assim, o executivo ressalta que as duas ofertas continuarão convivendo."Vemos zero risco de canibalização. Isso não tira o valor de nossa oferta Fusión [de convergência], pois não inclui futebol, funcionalidades ou possibilidades de add-ons", afirma. A ideia é capturar uma parte complementar da oportunidade de crescimento que a companhia vê no mercado. 

Vilá reiterou que o lançamento da plataforma em junho não mudará a abordagem com a TV paga. Ele explica que o serviço Movistar Plus tem mais de 8 milhões de audiência diária, crescendo 8%, e com o consumo de mais de 200 minutos por dia. Ressaltou ainda que a oferta de TV é convergente e melhora a lealdade do consumidor, com churn 25% abaixo. O serviço OTT custará 8 euros e incluirá período de testes para usuários. 

Cenário brasileiro

Em comparação, a TV paga no Brasil possui um cenário diferente. Segundo pesquisa recente da Amdocs, as OTTs estariam presentes em 39% dos lares com TV no País – sendo que há ainda uma média de 1,3 serviços do tipo em uso por cada uma delas – enquanto a TV paga aparece em 26% desses domicílios. 

Além disso, a estratégia da Telefônica/Vivo é diferente do que a matriz espanhola está promovendo: a companhia tem procurado se tornar uma espécie de "hub de OTTs", mas com uma estratégia mais focada na possibilidade de consumir o conteúdo em várias telas. A operadora continua investindo na implantação de fibra, com crescimento no IPTV, enquanto procura reduzir o foco na tecnologia DTH. E há ainda a questão da Lei do SeAC, que poderá ser modificada, conforme um dos itens da agenda legislativa apresentada pela Anatel em abril.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.