SindiTelebrasil vê desafios para a implantação do 5G no Brasil

Foto: Sergio Dutti/ Telebrasil

Em uma live realizada nesta segunda-feira, 10, por meio do seu canal no Youtube, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) debateu os desafios para a implantação do 5G no Brasil. Marcos Ferrari, presidente do SindiTelebrasil, apontou os principais desafios que devem ser superados para que efetivamente a tecnologia chegue pelas terras brasileiras, no entendimento das operadoras. Junto com ele, participaram da conversa o Ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, astronauta Marcos Pontes; Leonador Euler, presidente da Anatel; e o Secretario de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Menezes.

Ferrari destacou três elementos importantes para a implementação do 5G no país. O primeiro deles envolve uma revisão nas legislações municipais que tratam de instalação de antenas. "Nós temos que vencer alguns desafios para se ter todos os benefícios do 5G. Um deles é a instalação de antenas. Para se ter telemedicina (por 5G), por exemplo, é preciso facilitar a instalação de antenas nos municípios. Hoje a legislação para esta instalação não é amigável", disse. O executivo lembrou que em um cenário onde um número maior de antenas é necessário, é preciso encontrar um fator que acelere o seu processo de instalação, que hoje demora em torno de um a dois anos.

Sobre isso, Leonardo Euler, presidente da Anatel, concordou reconhecendo que de fato os municípios apresentam legislações municipais que impendem a ampliação das antenas em suas áreas. "A Anatel está saindo dos gabinetes e levando propostas de legislações para serem aprovadas nas Câmara de Vereadores dessas cidades, claro, respeitando a autonomia de cada municípios", afirmou, indicando que a agência se movimenta para solucionar o problema.

O segundo elemento importante e que precisa ser revisto apontado por Marcos Ferrari é a tributação sobre dispositivos que conectam Internet das Coisas (IoT). "Todos queremos benefícios do IoT mas com a tributação que temos hoje, não conseguimos. Temos uma receita média de R$ 12,00 por dispositivo, com um custo tributário de R$ 15,00 para cada um", disse. Para ele, é preciso rever as taxas de fiscalização para garantir conectividade de vários dispositivos a preços justos. Leonardo Euler também concordou com o pleito de Ferrari, dizendo que é preciso zerar as taxas do Fistel pois só assim se terá uma cobertura maior do 5G.

Vitor Menezes ressaltou que o ministério também está trabalhando para reduzir as taxas. "O MCTIC está apoiando projetos de lei que tratam da redução do Fistel. Entendemos que é preciso reduzir as taxas. Elas não podem continuar do jeito que estão hoje", disse o secretário de telecomunicações.

Outro ponto destacado por Marcos Ferrari é que o leilão das faixas que serão usadas no 5G não pode ser puramente arrecadatório. Para Ferrari, isso é chave "porque o 5G requer um modelo com investimento muito maior. Por isso, para nós, quanto menos arrecadatório for o leilão, melhor, maior cobertura possível será o compromisso do edital, já que será possível fazer mais investimentos", destacou. Sobre o leilão, Euler disse que a proposta do edital do 5G apresentado pela agência talvez seja o maior da história. Segundo ele, "com os atuais modelos que estão apresentados no edital, vamos ter mais competividade. Queremos com este leilão estimular esta competição", afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.