Publicidade
Início Teletime Para AT&T, isonomia na competição com OTT virá com flexibilidade regulatória

Para AT&T, isonomia na competição com OTT virá com flexibilidade regulatória

Para o vice-presidente de relações internacionais da AT&T, Karim Lesina, os desafios regulatórios para o setor de telecomunicações são muito parecidos em qualquer realidade que se olhe hoje no mundo. Para ele, existe uma situação de assimetria regulatória e competitiva com empresas provedoras de serviços over-the-top que é um fato a ser constatado e observado. "Não estou dizendo que os países devam regular os serviços OTT, mas é preciso assegurar aos operadores tradicionais condições de equilíbrio, porque a competição com os OTT é um fato", disse Lesina, que participou nesta terça, 10, do Seminário Políticas de (Tele)Comunicações, organizado conjuntamente pela TELETIME e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da Universidade de Brasília.

Notícias relacionadas
A solução para esse impasse,  e para não tornar o mercado excessivamente regulado, é reforçar a atuação regulatória ex-post, ou seja, depois que surgem os problemas, em vez de buscar soluções ex-ante, que prevejam situações problemáticas. "A nossa vida mudou substancialmente depois de 29 de junho de 2007. Foi o dia em que o primeiro iPhone entrou em operação na nossa infraestrutura e isso mudou completamente o ambiente com que temos que lidar".

Ele pontua que uma coisa é antecipar crescimentos de tráfego em situações conhecidas, como grandes eventos. A outra é conseguir preparar a infraestrutura para serviços e comportamentos completamente novos. "Apesar de termos 109 milhões de dispositivos M2M na nossa rede, não temos ideia do que virá com a Internet das Coisas." Apesar disso, a AT&T lembra (como costumam fazer as empresas de telecom) que é hoje a empresa que mais investe em infraestrutura nos EUA individualmente (são cerca de US$ 20 bilhões por ano) . "Das poucas certezas que podemos ter é que qualquer que seja a demanda do futuro, as redes serão necessárias. Para isso, ter investimentos é essencial, e isso só vem com estabilidade regulatória. A questão do espectro é um grande desafio, e as políticas de licenciamento devem buscar prazos mais longos  e ter menos restrições tecnológicas. E é preciso ganhar, ao final, ter serviços e qualidade que garantam a confiança do consumidor", disse ele, pontuando aqueles que são vistos pela AT&T como os desafios regulatórios globais.

Lesina foi muito crítico em relação às políticas de neutralidade que estão sendo colocadas em países, especialmente EUA. "Não dá para querer neutralidade para fomentar a inovação e a competição de um lado e impedir a inovação e o investimento do outro".  Para ele, mesmo que haja hoje um processo de concentração entre infraestruturas, um ambiente com espaço para investimento faria.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile