Teles questionam lei estadual que versa sobre telecom no STF

A Associação das Operadoras de Celulares (Acel) e a Associação Brasileira de Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado (Abrafix) ajuizaram a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 6269) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a lei estadual 1.340/2019 do Estado de Roraima, que dispõe sobre a proteção do consumidor em relação a práticas abusivas por parte de prestadoras de serviços de telecomunicações.

A norma em questão proíbe oferta e a comercialização de serviços de valor adicionado (SVAs) digitais, complementares, suplementares ou qualquer outro de forma onerosa ao consumidor quando agregados a planos de serviços de telecomunicações. Entre esses serviços estão toques de celular diferenciados, envio de notícias por SMS, músicas, antivírus, jogos, cursos de idiomas e backup de arquivos e revistas. O relator da ADI é o ministro Ricardo Lewandowski.

Na ação, que foi protocolada no Tribunal em 25 de novembro, as associações alegam que, segundo a Constituição Federal (artigo 22, inciso IV, alínea "d"), compete privativamente à União legislar sobre águas, energia, informática, telecomunicações e radiodifusão. Sustentam assim que a cobrança desse tipo de serviço é regulamentada por resolução da Anatel.

Ainda de acordo com as entidades, a lei viola o princípio da isonomia, pois os usuários de Roraima serão privados da oferta de serviços oferecidos em todo o País aos clientes das operadoras. A legislação estadual ainda violaria a livre iniciativa, uma vez que restringiria indevidamente a liberdade de atuação das empresas do setor e prejudicaria a exploração dos serviços por elas oferecidos, segundo argumentam as teles. (Com informações da assessoria de imprensa)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.