Receita Federal atinge marca de 160 mil TV Box piratas destruídos em Foz do Iguaçu

A Receita Federal está completando um total de 160 mil TV Box piratas apreendidos e destruídos em Foz do Iguaçu desde 2016. Este número será alcançado na próxima quarta-feira, dia 11 de novembro, em uma nova ação de destruição de equipamentos piratas na alfândega da cidade, responsável pelas apreensões na fronteira do Brasil com o Paraguai.

As TV Box piratas são equipamentos não homologados pela Anatel e que desbloqueiam ilegalmente os canais de TV por assinatura, violando direitos autorais e representando risco também os usuários, pois são conectadas à Internet, permitindo a invasão das redes domésticas e acessos a dados pessoais.

Segundo estimativas da ABTA (Associação Brasileira de Televisão por Assinatura), com base em dados do IBGE e da Anatel, estes aparelhos ilegais estão presentes em 4,5 milhões de lares no Brasil, causando um prejuízo de R$ 9,5 bilhões por ano para a indústria audiovisual no Brasil, dos quais R$ 1 bilhão em impostos que deixam de ser arrecadados pelos governos.

Os equipamentos piratas apreendidos em Foz do Iguaçu são destruídos e têm algumas de suas partes enviadas para reciclagem, por meio de um convênio da ABTA com a Receita Federal, firmado em 2016.

Recordes de apreensões

Nos últimos meses, as operações contra a pirataria audiovisual se intensificaram também em outras regiões do País. Em setembro e outubro, uma série de ações coordenadas pela Polícia Civil, Polícia Federal, Receita Federal e Ancine apreendeu mais de 300 mil TV Box, no Rio de Janeiro, em São Paulo e no Pará.

Somente nos portos de Itaguaí e no porto seco de Resende, ambos no Rio, a Receita e a Polícia apreenderam mais de 200 mil caixas piratas. Entre o final de setembro e o início de outubro, foram mais de 50 mil apreensões nestes terminais. Em outubro, a Anatel apreendeu mais 39 mil TV Box piratas em São Paulo. E no Pará, a Receita Federal apreendeu 48 mil equipamentos piratas de TV por assinatura, que entrariam no país pelo Porto de Vila do Conde. Segundo estimativas, as operações recentes no Rio e no Pará provocaram um prejuízo de mais de R$ 200 milhões ao crime organizado.

Os responsáveis pelas cargas podem responder por violações de direitos autorais (art. 184, §3º do Código Penal) e contrabando (art. 334-A do Código Penal).

Pirataria digital

O combate à pirataria digital também vem crescendo. Na semana passada, o Ministério da Justiça e Segurança Pública realizou a segunda fase da Operação 404, com ações da Polícia Civil em dez estados.

A segunda fase da Operação 404 executou 25 mandados de busca e apreensão, bloqueou 252 sites que ofereciam acesso não autorizado a conteúdos protegidos e 65 aplicativos de streaming ilegal.

A Operação 404 contou com a colaboração das embaixadas dos Estados Unidos e do Reino Unido no Brasil. Nos Estados Unidos, o Centro Nacional de Coordenação de Direitos de Propriedade Intelectual e o Departamento de Justiça identificaram três domínios ilícitos que foram bloqueados.

A ABTA também contribui com as autoridades públicas, monitorando e denunciando atividades de pirataria audiovisual.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.