Anatel pode decidir sobre ponto extra na próxima semana

Os problemas de interpretação sobre o Regulamento de Proteção e Defesa dos Assinantes com relação ao ponto extra nas TVs por assinatura devem começar a ser resolvidos na próxima semana. De acordo com o superintendente de serviços de Comunicação de Massa, Ara Apkar Minassian, o tema deve constar na próxima pauta do Conselho Diretor da Anatel. A sugestão da área técnica é que a o regulamento seja corrigido para deixar claro que a gratuidade refere-se apenas à oferta da programação, mantendo o direito das empresas de cobrarem por serviços técnicos.
"Quando nós colocamos no artigo 29 que não poderia haver cobrança, a nossa intenção, que não ficou clara, era impedir a cobrança da programação novamente", afirmou o superintendente nesta quarta-feira, 9, em audiência na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara. Minassian tranqüilizou os deputados reforçando que o trabalho da agência está pautado no que diz o Código de Defesa do Consumidor e que tudo que ferir este documento não será levado à diante pela agência.

Cobrança

Notícias relacionadas

Outra questão a ser esclarecida é a freqüência com que as companhias podem cobrar pela manutenção de equipamentos. Minassian sugeriu que o texto explicite a possibilidade de a empresa cobrar uma pequena quantia mensal para garantir a manutenção a qualquer tempo. No entanto, essa deve ser uma opção dada pela empresa ao assinante e não uma imposição. Assim, se o cliente não quiser pagar mensalmente pela garantia irrestrita de reparos, deve ser cobrada apenas a manutenção pontual do equipamento, quando houver o chamado do assinante.
A questão do ponto extra ganhou vulto depois que a Anatel decidiu suspender a vigência dos artigos que permitiam a cobrança de serviços técnicos, por entender que o texto dava margem para várias interpretações. A Justiça exigiu que a agência reguladora voltasse atrás em sua decisão, adotando o texto em vigor – com a permissão da cobrança – até que edite outra regra sobre o tema.
O esclarecimento dos itens controversos não deve ser feito por súmula, segundo Minassian. "Tem que sair um documento sobre esse tema. A Anatel não pode sair simplesmente interpretando", avaliou. Assim, a sugestão da área técnica é que a agência coloque em consulta pública as alterações que pretende fazer no regulamento, dando a publicidade que a lei manda para as regras do setor. A consulta pode ser rápida, já que o regimento da agência estipula que os textos devem ficar ao menos dez dias expostos para contribuições da sociedade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.