Proposta de novo PPDUR pode reduzir substancialmente preço de espectro

O Conselho Diretor da Anatel aprovou, nesta quinta-feira, 9, a proposta de revisão de cálculo do PPDUR (Preço Público pelo Direito de Uso de Radiofrequência), que ainda passará por consulta pública por 30 dias. O texto prevê a redução do valor do espectro; facilita o pagamento e permite que parte do valor seja trocado por investimentos em rede, no caso de renovação de outorga, como já está previsto no texto do PLC 79/2016, que altera o marco regulatório das telecomunicações.

Segundo o relator da matéria, conselheiro Igor de Freitas, a intenção  é de reduzir barreiras de entrada e de tornar mais acessível a oferta de serviço por mais operadores. Ele acredita que a definição desse preço afetará o futuro da banda larga no Brasil. A proposta pode reduzir também a arrecadação do Fistel.

Pela proposta, o preço mínimo dos editais de leilão de espectro preferencialmente deixaria de ser calculado pelo Valor Presente Líquido (VPL), mas por meio de fórmula de cálculo existente hoje para definir o PPdur, levando em conta ainda fatores de capacidade e cobertura, ponderados por informações de população e área da região de autorização, tempo de outorga e serviço ao qual será associado o direito de uso da faixa de radiofrequências e cujos valores resultantes estão delimitados pelo custo administrativo.

O argumento de Freitas é de que o cálculo pelo VPL retira o lucro econômico das prestadoras logo no início da prestação do serviço. Ele também propõe um parcelamento maior, além das três parcelas atuais, com a recuperação do valor com a aplicação do IGP-DI, da Fundação Getúlio Vargas, sem aplicação de juros reais. O parcelamento, inclusive, pode durar o prazo da outorga, 15 anos ou 20 anos, no caso da aprovação do PLC 79.

Ainda no caso da renovação, o preço seria calculado pelo percentual da receita das faixas renovadas e não sobre a receita do serviço total, como é agora. A parte que pode ser trocada por investimentos em redes não está definida, mas não pode ser o total. "Isso vai depender do interesse público", disse o relator. Ele afirmou que os investimentos têm que estar atrelado ao plano da Anatel de deficiência de redes.

Freitas sustenta que as frequências mais pretendidas podem ter o preço aumentado por meio de ágio proposto pelas operadoras no leilão, mas não inviabiliza a participação de um entrante ou de um pequeno operador. As novas determinações valerão apenas para os espectros leiloados a partir da aprovação da matéria, tendo em vista que as condições de pagamento das atuais frequências estão previstas em editais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.