Cisco lança roteador com 322 Terabits/s de capacidade

Nesta terça-feira, 9, aconteceu o lançamento mundial do CRS 3 – Carrier Routing System da Cisco, roteador de core de rede com capacidade de processamento de 322 Terabits por segundo. De acordo com a companhia, essa capacidade é três vezes maior que a de seu predecessor, lançado em 2004, o CRS 1 e 12 vezes mais rápido que o sistema concorrente mais próximo. "É de longe, sob qualquer tipo de análise, o roteador mais potente que já foi lançado", afirma Rodrigo Abreu, presidente da Cisco Brasil. A aposta da fabrigante é na explosão do tráfego ns redes de banda larga, sobretudo em função da popularização de vídeos em HD.
O lançamento de um produto com tamanha robustez atende à demanda crescente por capacidade de rede, que aumenta em ritmo acelarado graças à popularização de aplicativos de vídeo e das redes sociais. Para a Cisco os quatro principais "drivers" de crescimento do tráfego na Internet são vídeo, mobilidade, colaboração e data center. No curto prazo, a fabricante acredita que vídeo sob demanda e chamada de vídeo pela Internet serão os aplicativos que mais demandarão capacidade das redes das operadoras.
A expectativa da companhia é que o produto esteja comercialmente disponível no terceiro trimestre do ano. Recentemente a AT&T testou o CRS-3 em um backbone de 100 Gigabits entre New Orleans e Miami. No Brasil, a Cisco acredita que a demanda será grande. Existem, segundo Anderson André, diretor do segmento de telecomunicações da Cisco, cerca de uma centena de roteadores CRS-1, dos quais talvez todos eles receberão, em algum momento, o upgrade para o CRS-3. Recentemente uma operadora móvel comprou 22 unidades do CRS-1 em função do aumento do tráfego causado pela terceria geração.
De acordo com Rodrigo Abreu, o roteador tem funcionalidades que auxiliam a empresa a não ser simplesmente provedora de conectividade (o chamado dumb pipe), mas a tecnologia por si só não resolve o problema. Abreu explica que existe um campo grande de novos serviços para as operadoras explorarem. "Existe toda a gama de serviços gerenciados, armazenamento, virtualização, segurança. Tudo isso, ainda precisa ser melhor explorado pelas operadoras", diz ele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.