Banda larga é questão de estabilidade, e não velocidade, diz inventor do DSL

O conceito de banda larga nos Estados Unidos está mudando, tanto do ponto de vista regulatório, com a proposta de reclassificação para "serviço essencial", quanto no contexto técnico, com a nova configuração de velocidade mínima de 25 Mbps (contra os 4 Mbps de até então). Para o cientista que inventou a tecnologia DSL e CEO da empresa de análise de conectividade Assia, John Cioffi, no entanto, o conceito é mais uma questão subjetiva de como funciona para o consumidor. "Banda larga é uma conexão suficientemente estável e de alta velocidade para que o usuário possa se conectar em qualquer lugar", disse o executivo, que esteve em São Paulo na semana passada para uma palestra na Campus Party 2015.

A nova velocidade mínima reconhecida pela agência reguladora, a Federal Communications Commission (FCC), basicamente elimina as conexões DSL do conceito de banda larga nos EUA, bem como a maioria das conexões móveis em 3G. Cioffi é contra esse tipo de classificação. "Eu não tentaria colocar em números, como fez a redefinição da FCC. O que importa é a estabilização dessa conexão", defende. Com a nova definição, segundo relatório da Comissão divulgado nesta segunda-feira, 9, 17% da população americana não possui banda larga, sendo que o percentual cresce para 53% considerando somente as áreas rurais.

Notícias relacionadas

Apesar de criticar a decisão de impor novos parâmetros, Cioffi elogia a atuação do chairman Tom Wheeler em sua batalha pela reclassificação da banda larga fundamentada na neutralidade de rede. "É muito bom que os reguladores no mundo, incluindo a FCC, estejam olhando de maneira cuidadosa em relação ao impacto das interconexões para os consumidores", diz, destacando o que ele considera como posição de liderança dos EUA nessa discussão.

Mas ele ressalta: será preciso endereçar de forma correta os problemas, porque o regulador terá de monitorar para saber "o que é justo" e "como as regras estão sendo aplicadas" para deixar o mercado comercialmente competitivo – o que é, obviamente, o papel de um órgão regulador mesmo. "O que Wheeler quer fazer é criar um balanço. Algumas regras são para motivar as empresas a continuar a investir, a colocar fibra mais perto (do usuário), colocar mais rede, fazer mais com o cobre… E eles podem fazer muito dinheiro se fizerem isso corretamente."

Tecnologias

O posicionamento do executivo também pode ser explicado pelo produto que a Assia, sua empresa, vende: um software de monitoramento de rede, incluindo um aplicativo para smartphone, chamado de Cloudcheck, que testa a qualidade da conexão, com parâmetros de velocidade de servidores de conteúdo (como um YouTube ou Netflix), conectividade do Wi-Fi e capacidade do link. "Muito dos problemas, até cerca de 90%, ocorrem na última milha, incluindo o link wireless ou a conexão de cobre e fibra; e são áreas importantes, onde diferentes tipos de problemas podem ocorrer", justifica. A companhia tem como clientes no Brasil a Oi e a Vivo, cobrindo cerca de 11 milhões de acessos, além das norte-americanas AT&T, Verizon e Century Link, que cobrem 32 milhões de conexões.

Mas há também outras tecnologias que podem ser aplicadas, como o caso do G.fast, protocolo de vectoring que utiliza o cobre na última milha e é capaz de entregar velocidade de 1 Gbps. Dependerá do viés econômico. "A fibra precisa chegar cada vez mais perto, e o preço da fibra é cada vez mais barato. E a economia vai ser diferente, aqui no Brasil as pessoas com quem falamos procuram diferentes combinações, como fibra e cobre, e wireless e satélite também", diz.

Outras novidades, como a conectividade por meio de drones e balões do projeto Loon, do Google, ou da próxima geração de redes móveis, o 5G, são conceitos ainda muito teóricos para John Cioffi. "O problema é como os balões conseguirão a conectividade", diz, referindo-se ao backhaul provavelmente proporcionado por satélite. "Talvez seja uma boa ideia para começar (a fornecer conectividade em uma região), mas não é necessariamente a melhor maneira de fazer onde já existe conexão", defende. Sobre o 5G, ele ressalta a oportunidade de usar ondas milimétricas e conceito de rede mesh. "Mas isso requer muito gerenciamento de software. Tudo que eu vejo na área é possível, mas ainda há um longo caminho para se chegar ao uso nos níveis prometidos", declara.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.