Anatel concede à Claro prorrogação para lançamento do Star One D2

O Conselho Diretor da Anatel aprovou em reunião nesta quinta-feira, 8, o pedido da Claro (Embratel/Star One) pela prorrogação do prazo para entrada em operação do satélite Star One D2. O argumento da operadora é que a pandemia trouxe efeitos externos que levaram à impossibilidade de lançamento do artefato, que deveria entrar em operação na posição orbital 70º Oeste já no próximo dia 31 de outubro.  

A matéria esteve na pauta do Conselho no último dia 27 de agosto, e então o conselheiro Moisés Moreira pediu vistas. No entendimento dele, houve discordância do voto do relator, conselheiro substituto Raphael Garcia, apenas por conta de uma proposta de reforma para conceder a prorrogação por meio de um novo instrumento de garantia de execução. Para Moreira, já há "excessão clara prevista no termo de autorização". 

Sendo assim, o adiamento concedido para a Claro é para até o dia 31 de agosto de 2021. Porém, a posição da própria Claro é que o lançamento do Star One D2 ocorra já em fevereiro de 2021, conforme foi comentado pela empresa na semana passada, durante o Congresso Latinoamericano de Satélites 2020. 

A Claro recebeu autorização da Anatel em junho de 2019 para prorrogar por 15 anos o direito de exploração de satélite e uso de frequências nas bandas Ka e Ku para a posição orbital 70º Oeste. Na época, foi instituído o preço de R$ 8,359 milhões à operadora.

Viasat

O conselheiro Moreira frisou que, inicialmente, compreendia que a matéria da Claro seria relacionada ao pedido do direito de exploração da Viasat para o satélite ViaSat-3, na mesma posição orbital e utilizando a mesma frequência do Star One D2. Porém, ele entendeu que os assuntos estão suficientemente desvinculados. A própria Viasat afirmou ao TELETIME que este artefato da classe ViaSat-3 em particular seria lançado apenas em 2023.

"Foi possível concluir que, apesar de ser a mesma posição e banda de frequências, a discussão da Viasat não impede o reconhecimento das razões da Claro para prorrogação, tampouco o lançamento do satélite, que, portanto, é anterior ao da empresa estrangeira", declarou o conselheiro. Da mesma forma, ele indeferiu a petição da Viasat de participar do processo da Claro como legítima interessada. 

O processo do pedido do direito de exploração do ViaSat-3, cujo relator é o conselheiro Vicente Aquino, também estave na pauta da reunião desta quinta-feira. Porém, Moisés Moreira, que já havia pedido vistas na reunião do final de agosto, solicitou mais 120 dias para análise.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.