Blocos de 26 GHz podem ser revisados para garantir interessados

Os blocos de 26 GHz com licitação programada para o leilão de 5G podem ser desmembrados em lotes menores que garantam a presença de interessados – e, consequentemente, recursos para compromissos de Internet em escolas da rede básica.

A possibilidade teria sido informada pelo conselheiro da Anatel, Emmanoel Campelo, em reunião na ultima segunda-feira, 6, com o presidente da Frente Parlamentar Mista da Educação, deputado Israel Batista (PV-DF). A minuta final do edital de 5G está sendo relatada por Campelo.

"Essa é uma faixa que nos causa alguma preocupação. Não temos certeza se teremos empresas interessadas, de fato, na tecnologia. A nossa ideia é reduzir o tamanho do bloco para facilitar a entrada desses investidores, para que não tenhamos falta de recursos para o projeto de conectividade das escolas", afirmou o conselheiro, segundo comunicado original da Frente enviado na segunda-feira, 6.

Notícias relacionadas

Após a publicação desta matéria, a fala de Campelo foi retificada pelo grupo de parlamentares e pela própria Anatel; a nova versão enviada para TELETIME foi a seguinte: "Essa faixa [o 26 GHz] foi objeto de recomendações do TCU e tem nos causado preocupação a possibilidade de que alguns blocos eventualmente fiquem desertos, risco que sempre existe em todas as licitações. Por esta razão, temos estudado a melhor forma de atender às recomendações daquela Corte de Contas".

Blocos

A Anatel pretende licitar um total de 3,2 GHz de espectro na faixa de 26 GHz, até então divididos em cinco lotes regionais de 400 MHz e três regionais do mesmo porte (subdivididos em 21 blocos).

A proposta enviada ao TCU previa preço mínimo individual de R$ 791 milhões para cada lote nacional, mas a perspectiva é que as cifras sejam maiores no texto final. Caso a recomendação que compromissos de Internet em escolas sejam incluídos no leilão, 90% dos recursos oriundos da venda da faixa devem ser remanejados para a política pública.

A viabilidade econômica das ondas milimétricas como o 26 GHz tem dividido a indústria de telecom. Enquanto alguns players enxergam grande potencial na faixa, limitações de cobertura e um número menor de leilões envolvendo a faixa lá fora também são observadas. Nesta quarta-feira, 8, a Oi voltou a se declarar interessada em investir na faixa no leilão, embora ainda esteja aguardando as condições finais no edital que será publicado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.