Claro aposta em serviços e mantém subsídios para crescer em 2007

A Claro, subsidiária brasileira da América Móvil, alcançou no quarto trimestre de 2006, uma receita de R$ 2,3 bilhões e fechou o ano alcançando R$ 8,4 bilhões. O segmento de serviços cresceu 9,6% ante o período anterior e 25,2% no ano, impulsionando o Arpu de 2,6% durante o trimestre no pós-pago, e 5,3% no segmento pré-pago. A empresa alcançou Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 1,1 bilhão em 2006. O churn teve uma leve alta no período e chegou a 3,3% ante 2,7% no ano passado.
O presidente da Claro, João Cox, destacou que a estratégia de subsídios agressivos a celulares praticados no ano passado será mantida neste ano. ?O caminho se mostrou acertado: nossa base de clientes aumentou 28% em relação a 2005, passando de 18,7 milhões para 23,9 milhões e alcançamos uma participação no mercado de 23,9%?, diz Cox. A base de assinantes pré-pagos é de 83%.
Ele destaca que a empresa diminuiu a distância da líder Vivo, com uma diferença de 6 milhões de assinantes, enquanto em 2005 era de 11 milhões. Sobre a Vivo, que está implantando uma rede GSM para não perder mercado, Cox afirma que não tem impacto em sua estratégia. ?Nosso objetivo continua o mesmo, alcançar a liderança com rentabilidade?, afirma. Para o executivo, o fato da América Móvil ser a quinta operadora no ranking mundial de clientes celulares dá à Claro escala suficiente para contar com uma boa infra-estrutura de rede e oferecer bons preços de aparelhos.
Na receita de serviços, Cox destaca o desempenho do SMS e a tendência de crescimento do tráfego de dados e multimídia com a difusão dos celulares com maiores recursos para camadas mais amplas da população. A receita líquida de serviços alcançou R$ 7,04 milhões ante R$ 5,59 milhões em 2005 com um crescimento de 25,9% ano a ano. Para incentivar downloads, a Claro incrementou o cardápio de vídeo, oferecendo dois filmes com conteúdo exclusivo por mês, vídeo dos gols da rodada e games.
O swap da rede realizado no Nordeste que seria concluído ainda no ano passado, sofreu um atraso. ?A previsão é que toda a atualização da infra-estrutura da região seja finalizada ainda neste trimestre?, diz Cox. A empresa também aposta no mercado corporativo que, segundo Cox, cresceu mais que a base do pré-pago que registrou aumento de 33,3% em 2006, alcançando 4 milhões de assinantes. ?O atraso na chegada das redes 3G não representou perda de mercado no segmento?, diz Cox.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.