Publicidade
Início Teletime Sky ameaça com aumento de preços caso PL 29 seja aprovado

Sky ameaça com aumento de preços caso PL 29 seja aprovado

A postura contra o PL 29/2007 da Sky, acirrada nas últimas semanas com a estratégia de levar o projeto ao Plenário da Câmara dos Deputados, agora está sendo apresentada diretamente aos clientes da empresa. A partir da última sexta-feira, 4, a operadora iniciou uma campanha via e-mail criticando a política de cotas para o fomento da veiculação de conteúdo nacional nas TVs por assinatura. O PL 29, além de criar as cotas, abre o mercado de TV paga, permitindo que as teles também façam a oferta desse serviço.
O e-mail da Sky informa os clientes de que o projeto, se aprovado, exigirá a veiculação de conteúdo nacional nos pacotes já comprados pelos consumidores, "independentemente de sua reconhecida relevância, seu interesse ou sua escolha". A frase, destacada no comunicado, reprisa a principal bandeira das empresas contrárias ao projeto: a de que as cotas ferem a liberdade de escolha dos consumidores. Essa tese tem sido defendida por empresas e associações de TV paga há mais de dois anos, desde que as cotas foram incorporadas ao projeto.
Outra estratégia é a ativação de um site criado especificamente para a campanha. No site www.liberdadenatv.com.br – registrado em nome da Sky – a operadora apresenta seis tópicos descrevendo o que pode mudar nos pacotes adquiridos pelos clientes com a aprovação do projeto. O título em destaque é "Querem intervir na sua TV por assinatura" tanto no site quanto no e-mail. Um dos pontos que a operadora insiste é que o Capítulo V (onde estão as cotas) é inconstitucional por ferir os diretos e garantias individuais.

Notícias relacionadas
Mesmo não sendo a primeira vez que uma operadora de TV por assinatura se rebela contra o PL 29 – há dois anos a associação que congrega as operadoras, a ABTA, fez uma campanha televisiva contra o projeto e também chegou a colocar no ar um site contra a medida -, a campanha da Sky surpreende pelo tom ameaçador adotado. A empresa diz a seus clientes que, se o projeto virar lei, o preço dos pacotes vai aumentar e programas com alta audiência na TV paga terão seus horários de exibição alterados. "Que tal ‘House’ às 16h00 ou ‘Two & a Half Man’ à meia noite?", questiona a operadora no e-mail enviado a seus clientes, citando dois famosos seriados transmitidos na TV paga.
A empresa também lança mão da simplificação do principal conceito do projeto, no que se refere às cotas, para provocar uma reação em seus clientes. "Por meio da Ancine – Agência Nacional do Cinema – será definido o que é ou não ‘qualificado’ para que a sua família assista. Não se trata aqui da programação de sua TV por assinatura que você acha que vale a pena ou não. Também poderá definir o que você deve assistir no horário nobre, já que as cotas vão interferir neste horário de maior audiência", afirma a equipe da Sky.
O conceito de "conteúdo qualificado" previsto no PL 29 apenas diferencia as programações onde prevalecem conteúdos de teledramaturgia (como seriados e filmes) dos conteúdos majoritariamente jornalísticos (como noticiários e mesas redondas esportivas). Estes últimos não seriam "qualificados" pelo projeto e, portanto, não sujeitos às cotas. Portanto, depreende-se que o conceito de "qualificado" não é qualitativo na proposta, mas apenas instrumental, definindo onde as cotas serão aplicadas ou não. Em outras palavras, não há no projeto a perspectiva de que a Ancine definirá subjetivamente o que é qualificado para que o brasileiro assista na TV por assinatura, como sugere a operadora.
No momento, o PL 29 está com sua tramitação paralisada na Câmara dos Deputados depois da apresentação de um recurso para que o projeto seja votado também no Plenário da Câmara dos Deputados. Em princípio, o projeto, já aprovado pelas comissões, seguiria diretamente para o Senado Federal por ter regime de tramitação terminativa. No entanto, diversos deputados apoiaram a ideia de levar a proposta ao pleno. As assinaturas foram colhidas a pedido da Sky e da Associação Brasileira de Programadores de TV por Assinatura (ABPTA) segundo os deputados.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile