Entidades sustentam que há indícios de troca de bens reversíveis por rede privada

Apesar do ministro Paulo Bernardo negar que o governo pretenda incluir os bens reversíveis na revisão do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), entidades de defesa dos consumidores suspeitam de que haja, sim, essa negociação dentro do governo.

A suspeita veio de um e-mail, recebido pela advogada Flávia Lefèvre da Proteste, intitulado "Plano de Negócio Completo versão 18". Trata-se, ela explica, de um plano detalhado de revisão do PNBL em que os bens reversíveis (as redes, sem os imóveis) seriam contabilizados no valor de R$ 71 bilhões e entrariam como contrapartida para que as operadoras ampliassem as suas redes de banda larga.

Flávia afirma que não pode confirmar a veracidade do documento – o remetente do e-mail é desconhecido –, mas houve uma reunião na Casa Civil no dia 21 de março em que o assunto foi "banda larga" e estiveram presentes representantes do Minicom, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) e do Tesouro Nacional. Além disso, de acordo com as propriedades do arquivo eletrônico, o documento teria sido criado pela Anatel e a última atualização dele foi no dia 21 de março, coincidentemente ou não, dia da realização da reunião na Casa Civil.

A Proteste, o Idec e outras entidades encaminharam a questão para a apuração do Ministério Público Federal. O valor dos bens reversíveis presente no documento, cuja veracidade ainda não pôde ser comprovada, é muito superior àquele com que a Anatel trabalha publicamente. A agência diz que o valor contábil dos bens é de aproximadamente R$ 17 bilhões.

O assunto foi discutido em audiência pública na Câmara dos Deputados nesta terça, 7. O secretário de Telecomunicações do Minicom, Maxmiliano Martinhão, disse que o "ministério não tem nenhum estudo de doação dos bens reversíveis para as empresas".

Apesar de negar que os bens reversíveis estejam no desenho do novo PNBL, Martinhão afirma que é necessária a modernização da regulamentação para enfrentar a queda de clientes que o STFC prestado em regime público está sofrendo. Segundo o secretário, entre 2007 e 2012 o serviço fixo das concessionárias passou de 44 milhões de clientes para 39 milhões. No mesmo período, o STFC prestado por autorizadas saiu de 4,38 milhões para 14,30 milhões de clientes. "Nos preocupa o momento que o STFC por meio das concessionárias está passando. Perdeu 5 milhões de clientes e o serviço das autorizadas ganhou 10 milhões", afirma ele.

Solução intermediária

O superintendente de Controle de Obrigações da Anatel, Roberto Pinto Martins, também acha que é preciso rever o modelo, porque pelo entendimento atual as redes privadas que as empresas construíram para explorar a banda larga são reversíveis, já que por elas também são trafegados os serviços de voz.

"As redes estão se integrando, essa coisa está se misturando. E aí vem a pergunta: e os bens reversíveis, como é que eu faço? Para fazer voz eu preciso de 64 kbps e ali eu tenho 50 Mbps, mas eu não quero nem saber, se passar um bit de voz é tudo reversível", explica ele. "As empresas vão construir rede paralela? Ou vamos encontrar uma solução intermediária para permitir que essas redes evoluam de forma economicamente viável? A gente tem de estar atento a essa discussão", completa ele.

A deputada Luiza Erundina (PSB/SP), autora do requerimento, criticou a maneira como a Anatel tem zelado pelos bens reversíveis. "Há uma evidente tolerância da Anatel em relação à alienação de bens reversíveis. O próprio desconhecimento da Anatel de quais são esses bens já enseja irregularidades. O que eu espero é que a gente não tenha que convocar uma nova audiência pública, que seria realizada provavelmente com os mesmos interlocutores", disse ela.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.