Depois das TV box, Anatel mira pirataria em sites e apps com novo convênio com a Ancine

A Anatel e a Ancine devem celebrar esta semana um novo acordo de cooperação que será a base para uma segunda etapa na estratégia das agências de combate à pirataria no mercado de TV por assinatura. A ideia é que, a partir de denúncias da Ancine (agência reguladora do mercado audiovisual) de infração de direitos de propriedade dos conteúdos audiovisuais distribuídos pelas redes de telecomunicações, a Anatel possa determinar aos operadores de banda larga o bloqueio dos IPs de onde os conteúdos estão sendo distribuídos, seja para sites na web, seja em aplicativos para smartphones. 

Na primeira etapa, a Anatel adotou a estratégia de bloquear os IPs que permitem o funcionamento das caixas conectadas (TV box) não homologadas, sob a alegação de risco à integridade das redes de telecomunicações e à segurança cibernética dos usuários. Com isso, os conteúdos irregulares distribuídos por estes dispositivos, sobretudo canais de TV por assinatura comercializados de maneira pirata, passaram a ser bloqueados juntamente com as TV boxes. Os bloqueios estão em curso, à medida em que os IPs e caixas clandestinas são identificados. Mas a Anatel entendeu que, na primeira etapa, não poderia determinar o bloqueio de aplicativos e sites com conteúdos piratas por não ter poder de atuação em relação ao conteúdo.

Já a Ancine tem, por lei, atribuição de "zelar pelo respeito ao direito autoral sobre obras audiovisuais nacionais e estrangeiras", conforme a MP 2.228/2001. No entendimento que tem sido construído pelas agências nos esforços de combate à pirataria, a Ancine poderia então acionar a agência de telecomunicações no caso de infração de direitos de transmissão de determinados conteúdos.

Notícias relacionadas

Essa segunda etapa do esforço de combate à pirataria não deve ser imediata, mas deve ser rápida. Um acordo entre as duas agências foi anunciado pela primeira vez em agosto do ano passado, durante o PAYTV Forum, evento organizado por este noticiário. Em dezembro, a Ancine alterou a sua abordagem na questão do combate à pirataria, focando-se exclusivamente na questão da proteção da propriedade intelectual. 

3 COMENTÁRIOS

  1. A Anatel tem de criar vergonha na cara.
    IPTV, sites para baixar filmes, séries, animes, desenho é programa social feito pelo povo e para o povo e que não custa um centavo aos cofres públicos.
    O que tem de fazer é cobrar o dinheiro que as operadoras devem ao país.
    Só em tributos as 4 operadoras:
    Tim. Claro, Vivo e Oi devem juntas quase 15 bilhões de Reais.
    Criar vergonha Anatel!!!
    Antes que apareça um doido e resolva apelar para a ignorância.

  2. Tem é que tomar vergonha na cara a skay cobra os olhos da cara para dar aos clientes séries filmes tudo repetida mil vezes como se os usuários fossem retardados e as demais seguem o mestre,querem obrigar o povo a dar audiencia a estas TVs que só plantam mentiras opiniões próprias de odio e feik,e um pupuri de notícias massacres roubo assassinatos,morte levando muitos ao suicídio, já foi o tempo que se faziam programas bons e bom jornalismo.

Deixe um comentário para Paulo Portela Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
CAPTCHA user score failed. Please contact us!