Brasil prioriza setores de satélite e radiodifusão em conferência de espectro

(Atualizado em 7/11 às 10:40) A Conferência Mundial de Radiocomunicações, da União Internacional das Telecomunicações (UIT), que acontece até o final deste mês, em Genebra, é um encontro relevante para definir algumas posições do país diante dos embates que têm caracterizado conferências similares nos último anos: a disputa entre ampliar o espaço para a banda larga móvel (IMT) em detrimento de outros serviços, que podem perder espaço no espectro. A conferência é o local que define as políticas globais de alocação de recursos de espectro. Não necessariamente os países são obrigados a seguir as determinações da UIT, mas são elas que balizam o desenvolvimento de tecnologias e a estratégia global das empresas de telecomunicações, e ter uma posição desalinhada com o restante do mundo pode ter efeitos custosos para o País no futuro.

A posição brasileira, na conferência que está em curso, será marcada sobretudo pela defesa do espectro da radiodifusão e dos serviços via satélite. Há várias disputas em pauta.

Uma delas é a destinação de faixas abaixo dos 700 MHz para o IMT. A faixa em discussão éa de 600 MHz. Nesse caso, o Brasil será totalmente contrário, por duas razões. Uma é que o espectro é importante para a radiodifusão, e a radiodifusão tem um papel muito importante no modelo brasileiro de telecomunicações. Os países que estão defendendo a destinação destas faixas para o IMT são EUA e alguns países da Ásia, que não têm a necessidade de acomodar emissoras de TV no espectro. Mas o Brasil está alinhado à Europa, que tem posição semelhante de não destinar essa faixa para a banda larga móvel. Dos vizinhos brasileiros, apenas a Colômbia defende a destinação destas faixas ao IMT, o que pode significar, no futuro, a necessidade de ajustes nas zonas de fronteiras. A expectativa é que fique previsto, em notas de rodapé, a possibilidade de uso desta faixa de 600 MHz para o IMT, o que não é uma posição ruim para o Brasil e para os radiodifusores.

Também há uma discussão em relação à destinação da faixa de 1,4/1,5 GHz (banda L) para o IMT, e nesse caso o Brasil não deve se opor, assim como os demais países.

A disputa mais acirrada deve se dar pela faixa de 3,4 GHz a 4,2 GHz. Esta é uma faixa especialmente crítica para o setor de satélite, pois é onde operam os serviços de banda C, extremamente relevantes para a transmissão via satélite dos sinais de TV, inclusive para o público final. A posição do Brasil é de aprovar a destinação da faixa de 3,4 GHz a 3,6 GHz para o IMT, mas o restante continuaria reservado à banda C satelital. É uma posição intermediária, já que o setor de satélite e de radiodifusão quer a preservação total a fim de evitar qualquer possibilidade de interferência na banda C. Basta lembrar que há anos o Brasil tem evitado colocar essa faixa em licitação justamente pelos problema de interferência constatados. O problema é que os EUA aceitam ir até a faixa de 3,8 GHz e a Europa vai até 3,7 GHz. Se estas posições prevalecerem cria-se um grande problema para as empresas de satélite (e radiodifusão) no Brasil. Alguns países do Pacífico também têm problema pois dependem muito da comunicação via satélite.

Por fim, haverá a disputa pela sinalização das futuras faixas para 5G, acima da casa dos 6 GHz. Na verdade é uma indicação das faixas que serão consideradas em um novo ciclo de conferências de radiocomunicação, não uma deliberação imediata. Nesse sentido, a posição brasileira será de tentar preservar desde já a faixa hoje utilizada para a banda Ka (faixas entre 26 GHz e  28 GHz), importante para a banda larga via satélite. Vale lembrar que as últimas licitações de satélite brasileiros tiveram grande interesse das empresas na faixa de banda Ka e o próprio Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação (SGDC), a ser lançado no final de 2016, opera nesta faixa.

A delegação brasileira em Genebra conta com 27 pessoas entre executivos das operadoras de telecomunicações, operadoras de satélite, emissoras de TV e governo. Como representantes governamentais, que têm voz ativa nas discussões, há oito técnicos, da Anatel, Ministério das Comunicações e Aeronáutica.

2 COMENTÁRIOS

  1. Em relação a matéria do Samuel, sobre a Conferência Mundial de Radiocomunicações, no que diz respeto a identificação da Banda L é importante ressaltar que a posição brasileira, não é a de se opor, muito pelo contrário, essa é a única proposta que o Brasil está defendendo para identificação de mais espectro para serviços móveis, em consonância com os objetivos da WRC.
    O Brasil defendeu sozimho essa posição na Citel desde o início da preparação para a WRC, apresentou a proposta de IAP e chegou ao final com apoio de 20 países. Igualmente importante mencionar que temos a responsabilidade como "spoke person" da IAP, em nome da região américas, durante a WRC.

    • Caro Giacomini, a matéria diz que o Brasil não terá nenhuma objeção à banda L para o IMT. Eu não tinha a informação de que o país vai proativamente defender essa proposta, mas vou complementar depois de novas apurações. Obrigado pela dica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.