Foco da Nextel após aportes será no refarming da faixa de 800 MHz e expansão da cobertura LTE

A estratégia para a Nextel no Brasil após a chegada da norueguesa AINMT ainda não está fechada, mas envolve expansão de cobertura com o foco em dados e eventual refarming da faixa de 800 MHz, atualmente utilizada para a base de rádio (iDEN). "Falamos com a Anatel, eles apoiaram e entendem que esse espectro tem valor para a gente após o iDEN; temos conversado com JD (Fouchard, CEO da AINMT) sobre o uso potencial e estamos trabalhando com a agência para criar um caminho", declarou o CEO da atual controladora Nii Holdings, Steve Shindler, durante teleconferência sobre a transação.

Representantes da Nextel no Brasil deveria ter se reunido com a Anatel na semana passada para tratar do assunto, mas o adiantamento das conversas com a companhia escandinava fez com que o encontro com a agência fosse adiado para até dois meses. "Mas achamos que vamos ter essa conversão para o nosso negócio (fechada) em 30 ou 60 dias com um preço que achamos que será justo", espera Shindler.

Enquanto não há certeza sobre a expansão da cobertura 3G e LTE para além de Rio de Janeiro e São Paulo, a operação paulista em 4G com a faixa de 1,8 GHz é a que mais está no foco atual da operadora. Iniciada no final do ano passado, atualmente a tecnologia representa cerca de um terço dos sites da Nextel. De acordo com Shindler, com a injeção de capital é esperado que essa proporção chegue a 70%. "É muito empolgante para nós que tenhamos assegurado o 1,8 GHz em São Paulo, isso traz oportunidade de construir investimento, é uma configuração muito similar a nossa operação na Noruega (por meio da operadora Ice)", declarou JD Fouchard, da AINMT.

O acordo de roaming com a Vivo deverá ser mantido. Segundo a Nii, é necessário a aprovação da Telefônica para manter a parceria após a transferência de controle, mas é esperado que isso prossiga sem maiores problemas. "Achamos que isso é bom para eles e para nós, pode gerar receita e lucro para ambos. Usamos a rede deles para expandir cobertura e, quando usamos, eles fazem dinheiro com a gente", responde o CFO da controladora norte-americana, Daniel Freiman.

Incertezas

Muitas decisões sobre a estratégia no País ainda serão tomadas após o sinal verde para o recebimento do aporte da AINMT. Os executivos não quiseram comentar se ainda manterão o foco no pós-pago como é feito atualmente, por exemplo. A questão é que, além de ser necessário ainda aprovações para o avanço em duas fases dos investimentos, a própria situação política no Brasil traz incertezas na hora de adiantar planos operacionais. "Tem muita coisa a ser decidida nos próximos dias com o (presidente Michel) Temer e todas as reformas do governo, e acho que isso é essencial para a estrutura do mercado em longo prazo, então vamos ver essa questão", declarou Steve Shindler.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.