Para TIM, contestação no Cade é natural e não atrasa venda da Oi Móvel

A TIM encara com naturalidade os questionamentos à venda da Oi Móvel no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e, por isso mesmo, não acredita que haverá percalços que provoquem o adiamento da transação. A operadora inclusive já está preparando a infraestrutura para a futura integração com os ativos vindos com a aquisição, e entende que a partilha com a Claro e a Vivo indicam uma "solução de um problema". 

O CEO da TIM, Pietro Labriola, afirma que não haveria outra alternativa para a Oi no âmbito da recuperação judicial, e lembra que o cenário do espectro no País será logo modificado com o leilão de 5G. 

"Vamos ter um leilão gigante e todos esses operadores que querem [o espectro disponibilizado pela Oi] têm a grandíssima oportunidade de comprar frequências. É difícil dizer que não se pode fazer a operação por não haver a frequência, sendo que tem a frequência à venda e não se compra", provocou o executivo em coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 6. 

Notícias relacionadas

O vice-presidente regulatório e institucional da TIM, Mario Girasole, coloca que o Cade ter aceitado a entrada de interessados como Algar, Sercomtel, Neo Associação, TelComp e Idec no processo já era esperado e parte do rito. Apesar de essas entidades terem solicitado pela não aprovação da venda da Oi Móvel, o executivo diz que não há questionamentos à operação, mas de "eventuais ajustes".

"Antes de ser uma operação de compra, ela é de venda, gerada de um processo difícil que é a RJ. Então está se dando uma solução a um problema", declara Girasole. "Evidente que as operadoras que não têm força [para a disputa pelo ativo] tentam colocar argumentos, mas, francamente, não estamos percebendo nenhuma resistência à operação." 

Por conta disso, e por acreditar que a partilha feita com Claro e Vivo já endereçariam questões concorrenciais, Girasole entende que as aprovações da Anatel e do Cade sairão ainda neste ano. "Estamos falando de três categorias de ativos: espectro, que sabemos que tem uma regulamentação de spectrum cap; clientes, com atribuição seguindo o fortalecimento do menor player, quase que para criar mais uma opção forte no mercado; e contratos de acesso a torres de terceiros." Ou seja, não seria uma aquisição de uma empresa, com CNPJ separado, mas de parte de sua operação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.