Publicidade
Início Newsletter FiberCo focará em última milha e TIM terá exclusividade por seis meses

FiberCo focará em última milha e TIM terá exclusividade por seis meses

Presidente da TIM, Pietro Labriola, durante coletiva de imprensa em fevereiro

A TIM detalhou melhor a estratégia do spin-off de infraestrutura de fibra, a FiberCo nesta quinta-feira, 6, durante teleconferência de resultados e em coletiva de imprensa. A companhia reforçou que o acordo com a IHS – que sairá com 51% do capital da nova empresa – foi feito do ponto de vista industrial, e não financeiro. Ou seja: a nova empresa será completamente focada no apoio à expansão da infraestrutura de última milha em fibra da TIM. E assim, fica aberta a possibilidade de ter uma parceria com InfraCo da Oi, por exemplo, para o transporte e backhaul.

A FiberCo terá seis meses de exclusividade com a TIM em que a operadora será a sua única cliente. E a operadora é que determinará a estratégia de expansão, onde será implantada a cobertura. Essa característica determina que a nova empresa será diferente da InfraCo da Oi e mesmo da FiBrasil da Vivo, que teriam uma abordagem focada também no transporte e mais independente das operadoras originais. 

“Nos modelos do mercado brasileiro, a última milha poderá ser entregue por qualquer operador”, declara o CEO da TIM, Pietro Labriola. “No nosso modelo, uma vez que a gente construa a infraestrutura, outro operador [interessado] terá que esperar os seis meses de exclusividade da TIM”. Depois desse período, a FiberCo é livre para ofertar o acesso a qualquer empresa.

Notícias relacionadas

Rede não neutra

Labriola não enxerga uma competição com a InfraCo da Oi, por exemplo. Segundo ele, no passado havia dificuldade de negociar a fibra em backbone e backhaul no atacado com a operadora justamente pela competição no mercado de celular, mas a venda da unidade móvel e a separação industrial permitiria esse tipo de contratação. “É muito provável que a gente compre backbone ou backhaul da InfraCo da Oi, se o preço for competitivo.”

O executivo reforça que o acordo com a IHS não é de vender toda infraestrutura de rede, embora isso não signifique que a operadora possa solicitar à FiberCo construir backhaul em uma cidade específica. “Somos nós que vamos sugerir as áreas de cobertura e que vamos garantir a compra da conectividade da última milha desta empresa. Digamos que é como se fosse um braço da TIM especializado em last mile. Não é uma empresa de construção de rede neutra”. 

A separação da FiberCo permitirá também à TIM focar mais nos preparativos para a incorporação de ativos da Oi Móvel, deixando a rede de acesso de fibra para o novo veículo. “A criação da empresa permitirá ter foco completo nessa tarefa de última milha, tendo o ponto de vista operacional da companhia totalmente focado nesta atividade.” 

Expansão

O planejamento da FiberCo é de alcançar 8,9 milhões de casas passadas (HP, na sigla em inglês) com fibra até a residência (FTTH) em três anos. Embora a empresa preveja redução de 3 milhões para 1 milhão de acessos em fibra até o gabinete (FTTc), usada hoje na TIM Fiber, essa tecnologia ainda não será completamente desligada. A estratégia, segundo Labriola, é de migrar parcialmente em algumas áreas, sobrepondo essa última milha pelo FTTH onde for mais necessário para maximizar o retorno. 

Assim, a FiberCo terá como objetivo o que foi programado no plano industrial da TIM para os próximos quatro ou cinco anos em termos de novas cidades e bairros, segundo o CFO da operadora, Adrian Calaza. Os demais contratos pós-período de exclusividade ficarão abertos, e serão um componente da receita, embora o executivo não tenha dado estimativa de qual seria a fatia. “A gente quer fazer parte do negócio, por isso estamos mantendo cota minoritária, mas relevante”, disse. 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile