Telebras: fechamento de capital sem previsão e recursos de investimento bloqueados

A empresa foi anunciada como uma das possíveis a ser desestatizada

A Telebras está com impasses causados pela classificação como estatal dependente e integrante do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social (OFSS) de 2020. A companhia não pode ainda efetuar o fechamento de capital demandado pelo governo, e também não consegue utilizar sobra de recursos para investimento acumulados com o aumento de capital no ano passado.

Em fato relevante nesta quarta-feira, 6, a empresa lembra que em setembro passado já havia informado que não contava com saldo de lucros ou reservas suficientes para atender a demanda da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (SEST). Por isso consultou a União, que respondeu ainda não ser possível a operação por ainda aguardar os resultados dos estudos de qualificação da companhia no Programa de Parceria de Investimentos (PPI) do governo.

Notícias relacionadas

Em ofício, o Ministério da Economia disse que é "necessário aguardar o resultado desses estudos (PPI) para deliberar sobre eventual processo de fechamento de capital da empresa, não sendo possível, neste momento, definir uma posição quanto ao assunto". Na mesma linha, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) disse "não ser possível ter uma decisão neste momento" enquanto aguarda os estudos de qualificação.

Segundo a estatal, para fechar o capital, será necessário realizar oferta pública de aquisição (OPA), nos termos da instrução nº 361/2002 da Comissão de Valores Mobiliários. A CVM então solicitou informações à companhia, que publicou o fato relevante procurando "minimizar as expectativas sobre a realização da OPA enquanto não estão presentes os elementos essenciais para a sua divulgação".

Investimento bloqueado

Em um segundo fato relevante também nesta quarta-feira, a Telebras informou ao mercado sobre impactos da classificação como estatal dependente e a consequente impossibilidade de utilização de recursos de investimentos. Isso porque a empresa, de capital misto, ficou vinculada à Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020, o que obriga a companhia a utilizar simultaneamente as regras de contabilidade privada e pública. 

A estatal diz que em dezembro de 2019, a União destinou montante de R$ 822,3 milhões na forma de Adiantamento para Futuro Aumento de Capital, conforme a LOA vigente. Por conta dessa transferência de recursos, a empresa não realizou investimentos até o último dia do ano, ficando recursos disponíveis em "caixa e equivalentes de caixa" para futura utilização. Mas a vigência da LOA 2020 não traz previsão legal ou regulamentar para a realização de investimentos com esses recursos. 

Assim, a Telebras apresentará em seu balanço financeiro do primeiro trimestre deste ano esses recursos como "investimentos temporários" no ativo circulante. A empresa diz que não há expectativa de utilização desses recursos no curto prazo, "até que haja decisão e respaldo legal e normativo para sua destinação".

Conforme explica no fato relevante, a administração da estatal está atuando em conjunto com o MCTIC e outros órgãos da União para solucionar o impedimento da destinação dos recursos "com a maior brevidade possível". Mas ressalta: a solução depende de atuação articulada com diversas instâncias do governo para editar a legislação.

 As possíveis consequências negativas para a inclusão da Telebras como estatal dependente já haviam sido noticiadas pelo TELETIME ainda em dezembro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.