MVNOs preveem impacto positivo dos remédios para a venda da Oi Móvel

Painel sobre MVNOs no segundo dia do Fórum de Operadoras Inovadoras. Foto: Bruno do Amaral

Com a aprovação da venda da Oi Móvel, o Cade impôs regras de atacado como remédios para aprovar a operação para as compradoras Claro, TIM e Vivo, inclusive para operadoras móveis virtuais (MVNOs). Mas a regulação com um preço de referência ainda não tem unanimidade, pelo que foi colocado no primeiro painel do segundo dia do Fórum de Operadoras Inovadoras 2022 nesta quarta-feira, 6. 

Na visão do CMO da Surf Telecom, Davi Fraga, existe um perigo de guerra de preço. Ele afirma que não é um "entusiasta" dessa prática regulatória, uma vez que acredita que retira o aspecto de competição pela diferenciação. "Hoje o custo de 'air time' da operadora principal é o mais relevante para a MVNO, mas a gente conseguiu equalizar tendo oferta competitiva."

Mas não foi a opinião prevalente para os demais palestrantes. Presidente da associação que representa as operadoras virtuais, Abratual, Olinto Sant'Anna, brinca que as MVNOs só têm o modelo do regulado e do "brother, amigo da operadora", no qual haveria alguma cumplicidade entre as teles e a agência reguladora. O executivo ressalta que o remédio em relação à Oi Móvel veio apenas do Cade, e não da Anatel, mas que à agência caberá a implantação da regra. Por isso, diz estar "moderadamente otimista". 

Notícias relacionadas

A sugestão de Sant'Anna é que se adote um modelo semelhante ao da Colômbia, que levanta mensalmente os preços reais cobrados no varejo e, com base nisso, estabelece o preço de atacado. Esse modelo é também bem aceito pelo CEO da Datora/Arqia, Thomas Fuchs. "Gosto muito. Faz uma média de MOU, dados, voz, SMS, aplica desconto e aí tem preço para MVNO, e elas vão ter que competir nesse preço. Facilita porque a operadora não decide quem vai competir com ela, o mercado é que decide", declara. Para ele, o modelo colombiano é o que estaria servindo de base para o novo entendimento da Anatel. 

CPO da MVNO mais recente do painel, a Nomo, Gabriel Lima justifica que a margem é muito estreita, o que só permite as abordagens de obter valor com relacionamento com cliente ou com o modelo da empresa, que é baseado na perspectiva de custo operacional mais baixo por ser um negócio totalmente digital. "Isso acaba limitando a possibilidade de negócios em telecom, e de construir alternativas para o consumidor final."

Preço justo

A Anatel estaria conversando com associações, como a própria Abratual e a TelComp, para discutir as ofertas de referência preferenciais (ORPAs), além de solicitar contribuições sobre o processo de revisão do Plano Geral de Competição (PGMC). 

Um preço médio justo para as ofertas de referência seria de 50%, para Olinto Sant'Anna. Para Thomas Fuchs, deveria ser um percentual menor. "O desconto em torno de 40% é considerável. Lembrando que o faturamento [pela venda de capacidade no atacado para a operadora] é 100% EBITDA, não estão gastando nada", diz. O argumento é que, para a grande operadora que fornece para MVNO, é um negócio mais viável do que as receitas para o consumidor final, justamente por não haver os custos associados, como marketing, impostos e demais encargos.

Apesar de ser contra a regulação de preço, Davi Fraga, da Surf Telecom, concorda com algo em torno de 40 a 50% seria bem vindo. "Concordo, porque as operadoras estão basicamente vendendo capacidade ociosa. Boa parte de nossa receita vai para elas, e isso incomoda às vezes a área de varejo da própria operadora".

1 COMENTÁRIO

  1. As operadoras virtuais são uma alternativa interessante, porém quero deixar registrado que as ofertas dessas empresas dependem da fatia de lucro e dos custos operacionais de fornecedores de link. De forma alguma pagaria caro só pra ter um nome diferente no chip!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.