Para Abrint, TAC da Telefônica deveria cobrir apenas cidades sem atratividade

Basílio Perez, presidente da Abrint, entidade que representa pequenos e médios provedores regionais de Internet, procurou este noticiário para esclarecer alguns aspectos da manifestação da entidade sobre o TAC da Telefônica que foram comentadas pelo secretário de telecomunicações, André Borges. O secretário, em entrevista a jornalistas durante a Futurecom, deu a entender que as críticas da Abrint decorriam do interesse de manter, em pequenas cidades, um "monopólio" ou reserva de mercado. "A nossa posição é de sempre aceitar a concorrência. A nossa preocupação sobre o TAC é que é o uso de um dinheiro da sociedade para as próprias redes da operadora em locais onde eles podem ter retorno, porque isso é desleal".

Segundo ele, as localidades a serem escolhidas deveriam ser aquelas em que realmente não há ninguém interessado, de modo a gerar um retorno social efetivo. "Onde houver atratividade econômica, alguém vai oferecer o serviço", diz. Para ele, em muitas da cidades em que a Telefônica vai construir sua rede com recursos oriundos do TAC a tele já opera banda larga com redes de cobre. "Vai simplesmente fazer o upgrade da rede". Para a Abrint, o ideal é que recursos de TAC não fossem usados para acesso de última milha, e sim na construção de redes de backbone e backhaul. "Mas se for para fazer última milha, seria melhor onde não existe retorno".

Notícias relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.