Vivo/GVT aposta na TV para ofertas convergentes

Com a integração da GVT, a estratégia da Telefônica/Vivo para o setor de TV por assinatura, um dos pilares da companhia para suas ofertas multiplay passa pela escolha por qual plataforma de DTH, IPTV e satélite que a empresa irá adotar. A decisão já está tomada, mas o presidente da operadora, Amos Genish, não quis revelar. "Escolhemos o melhor das duas plataformas, e o resultado desse processo vai colocar a Vivo em posições muito interessantes", afirmou ele. Segundo apurou este noticiário, a Vivo está em processo de fazer um RFP para encontrar a melhor solução de satélite que atenda às suas necessidades.

Genish garante estar mais focado em serviço do que tecnologia, adaptando a oferta de acordo com os locais e o custo, e explica que as ofertas por IP e por satélite estão na mesma posição de valor. E dá a entender que a plataforma híbrida da GVT, com conectividade por banda larga, mas programação por satélite, passará a contar também com o video on-demand Vivo Play. "DTH terá a mesma programação no serviço não linear como IPTV até o final do ano." Amos também destacou que o serviço de DTH standalone não faz sentido na estratégia da Vivo.

Notícias relacionadas

Ou seja, a plataforma completa de TV por assinatura por satélite da Vivo precisará de uma banda larga para trazer o VOD e complementar toda a oferta. O executivo explica que não acredita em DTH isolado dos demais serviços, já que o mercado é muito focado em ofertas convergentes. "Além de ser competitivo na TV, ganha-se muita escala no combo. O standalone tem dificuldades na eficiência de escala", diz.

Programação

Uma reclamação, que também esteve presente na divulgação de resultados financeiros na semana passada, é a negociação com programadoras. O presidente da Telefônica já havia sugerido que a integração com a GVT vai permitir maior poder para a empresa nessa hora, mas ele ressalta que o custo, que representa "mais de 50% do preço final", é repassado às operadoras sem transparência. "É diferente de telecom, esse segmento (de programação) é o único do mundo em que o preço final está totalmente fechado", disse ele em conversa com jornalistas após o debate na ABTA 2015.

Ele reclama ainda que há falta de flexibilidade dos programadores no empacotamento, o que impediria consumidores de escolher opções de canais mais personalizadas. "Na minha opinião, é um erro enorme. Se o mercado quiser crescer com penetração como da Argentina, de 80%, e da Venezuela, de 50%, tem que rever isso", argumentou. Mais cedo, ele afirmou ainda que essa flexibilidade poderia ser aplicada para plataformas de vídeo não linear para combater as over-the-tops.

1 COMENTÁRIO

  1. Tenho interesse em ty por assinatura, sou cliente de telefone fixo e internet, fui assinante 12 anos da SKY..
    051 92372233

Deixe uma resposta para João Batista Cruz de Mello Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.