Publicidade
Início Teletime Salários de mercado elevam em 287% folha de pagamento da Telebrás

Salários de mercado elevam em 287% folha de pagamento da Telebrás

Os funcionários da Telebras, que tem como principal missão gerenciar o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), terão salários de mercado, referenciados em pesquisa de remuneração e estudo comparativo realizados nas cinco principais empresas dos setores de telecomunicações e de energia elétrica.
A folha funcional da estatal já tem previsão de gasto este ano 287% superior ao ano passado – que foi de R$ 8,5 milhões. A despesa adicional é de cerca de R$ 33 milhões. De acordo com informações da Telebras, seu quadro de pessoal já possui 100 funcionários, um ano após a sua reativação oficial, contra os apenas seis servidores efetivos que mantinham a empresa em funcionamento em maio passado. Mas poderão chegar a 367, por autorização do Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Dest), do Ministério do Planejamento, após a realização de concurso público.
A Telebras não quis informar a previsão de despesas para 2012, quando torna efetiva sua ação de gerenciamento do PNBL. Tudo vai depender dos estudos em andamento sobre a execução do serviço e do Plano de Classificação de Cargos e Salários (PCCS), cuja consulta pública foi concluída em 30 de abril.

Notícias relacionadas
Quando o sistema estatal de telecomunicações foi privatizado, em julho de 1998, a Telebras tinha 1.093 servidores. Em valores históricos, o quadro de pessoal da Telebras consumiu naquele ano R$ 12,3 milhões. Com desativação, o menor quadro de colaboradores foi registrado em 2009, ano em que os gastos com a folha não passaram de R$ 1,4 milhão – apenas 11,4% do que foi gasto no ano da privatização. Restam hoje 20% do quadro de 1998, ou 216 funcionários, muitos cedidos à Anatel, dos quais 116 têm até 30 de julho para retomarem seus postos na estatal. Estão cedidos à agência 86 colaboradores, e outros órgãos federais ficaram com 30 funcionários.
O novo quadro de pessoal da estatal consumirá R$ 41,4 milhões este ano, conforme o Programa de Dispêndios Globais das estatais para 2011, contra R$ 8,5 milhões de 2010, um crescimento de 79,47% no ano.
Com o retorno de todos os cedidos, sobrarão 151 vagas para serem preenchidas por concurso. Esse número, no entanto, poderá aumentar para 182, caso os 31 que ocupam cargos de confiança equivalentes ou superior a DAS-4 não retornem à empresa. Desses funcionários, 13 já aderiram ao plano incentivado de demissão (PISP), e podem também ser substituídos por concurso.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair da versão mobile