PL que regulamenta streaming é uma das saídas para o setor audiovisual brasileiro, defende parlamentar

Foto: Reila Maria/Câmara dos Deputados

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) defendeu a aprovação urgente do PL 8.889/2017, que regulamenta os serviços de streaming no Brasil, e do Projeto de Decreto Legislativo (PDL), que suspende a decisão da Anatel enquadrando a oferta de canais lineares pela Internet Serviço de Valor Adicionado (SVA), que não tem regulação, e não como Serviço de Acesso Condicionado (SeAC, ou TV por assinatura), regulado pela Lei 12.485/2011 e pela Anatel. Teixeira entende que a aprovação desses dois textos seria uma forma de salvar o audiovisual brasileiro da atual crise, fruto da "postura deliberada da Ancine" em não fechar os contratos com os projetos aprovados entre 2016 e 2018. Paulo Teixeira participou da audiência pública que aconteceu na Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados nesta segunda-feira, 5.

O PDL apresentado por Teixeira propõe sustar a decisão do Conselho Diretor da Anatel que não enquadrou os serviços over-the-top de streaming como Serviço de Acesso Condicionado (SeAC). Na a avaliação do parlamentar, a agência exorbitou o seu poder de regulamentar. Teixeira argumenta ainda que a decisão extrapola os limites da legislação em vigor, no caso, a Lei 12.485/2011 (Lei do SeAC).

Para o parlamentar, o posicionamento da agência opõe-se não somente à interpretação do que diz a Lei do SeAC, mas também à própria intenção manifestada pelo legislador ao elaborar a norma, diz o deputado. Além disso, prossegue Paulo Teixeira, a decisão do Conselho Diretor da agência atropela a discussão que já vem sendo travada no Poder Legislativo sobre a necessidade de modernização da Lei do SeAC, evidenciada nos inúmeros projetos de lei sobre o tema que se encontram em tramitação no Congresso Nacional. "Este sim é o fórum adequado e constitucionalmente competente para promover o debate e aprovar eventuais mudanças na legislação vigente", diz o parlamentar.

Notícias relacionadas

O PL 8.889/2017

O PL 8.889/2017 tramitou na Comissão de Cultura (CCULT) da Câmara, onde foi discutido, inclusive com a realização de uma audiência pública. Ele traz propostas para a regulação do vídeo sob-demanda (VOD), alterando a Lei do SeAC. Na CCULT a  relatoria esteve com a deputada Benedita da Silva (PT-RJ). Apensando ao projeto de Paulo Teixeira está o ao PL 9.700/2018, de autoria da ex-deputada Laura Carneiro (DEM-RJ). Após aprovação na Comissão de Cultura, o texto seguiu para a CCTCI, onde está atualmente. No último dia 24 de março, o deputado André Figueiredo (PDT/CE) foi escolhido relator da matéria.

Segundo Teixeira informou na audiência desta segunda na Comissão de Cultura, estão acontecendo conversas para que a proposta seja aprovada o quanto antes.

1 COMENTÁRIO

  1. Se é do Partido do Trambique, então é criminoso. Fato. Se enquadrarem o streaming como SeAC será o fim desse seguimento de serviços no Brasil e o correto será as empresas se moverem para fora do país e oferecer seus conteúdos de forma que as Leis brasileiras não as alcancem e nem a criminalidade do partido do trambique, por conseguinte.

Deixe uma resposta para Jurandir El Chacon Crisostemo Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.