Chanceler alemã Angela Merkel critica "ações protecionistas unilaterais" na abertura da Cebit

A política industrial brasileria de privilegiar os equipamentos nacionais nos próximos leilões de espectro para a quarta geração dos serviços de celular (4G)  não foi um assunto mencionado pela chanceler alemã Angela Merkel no seu discurso de abertura da Cebit. Na semana passada em Barcelona, o ministro das Comunicações Paulo Bernardo foi duramente cobrado pela vice-presidente da Comissão Europeia para a agenda digital, Neelie Kroes, que chegou a sugerir que as políticas protecionistas brasileiras poderiam violar as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC). A União Europeia chegou a formalizar seu descontentamento através de uma carta ao Minicom

Notícias relacionadas
Merkel, por outro lado, mostrou-se preocupada com a maneira com que o Brasil está enfrentando a crise da Europa e se protegendo de uma valorização excessiva do real diante da entrada de dólares causada pela injeção de recursos por países desenvolvidos para estimularem suas economias. A presidenta Dilma Rousseff chamou a atitudade dos países ricos de "tsunami de liquidez". A estratégia foi criticada pela chanceler alemã. "A presidente Dilma citou tsunami de liquidez, manifestou sua preocupação. Temos de olhar para medidas protecionistas unilaterais. Penso que a confiança é o caminho que devemos trilhar para sair da crise. Nós, europeus, estamos conscientes do fato de que temos que olhar além das nossas fronteiras", declarou ela.

Telecomunicacões

Para além da crise financeira, Merkel também falou sobre o cenário das Tecnologias da Informação e Comunicacação (TICs) em seu país. Assim como no Brasil, a Alemanha também está preocupada com a expansão da rede de banda larga. De acordo com Angela Merkel, a infraestrutura é o elemento mais importante para o desenvolvimento das TICs naquele país uma vez que 50% da população alemã vive em áreas rurais. Merkel elogiou o desempenho econômico brasileiro nos últimos 20 anos, período em que o PIB dobrou, mas o mais importante para ela é a mobilidade social brasileria que colocou milhares de pessoas em condições de consumir os serviços de TICs.

A presidenta Dilma Rousseff destacou que as TICs colaboram para a transparência e para a eficiência das políticas de governo. "Esses benefícios não podem ser privilégios de poucos. Essa exclusão acirra ainda mais a desigualdade existente", disse a presidenta em seu discurso.

A presidenta mencionou também a articulação dos países da Unasul para a integração das redes sulamericanas, e a expansão da rede da Telebrás que atenderá a todas as capitais brasileiras até o final do ano e os cabos submarinos que ligarão o Brasil aos EUA, África e Europa. "2012 será um ano especialmente promissor. O Brasil é hoje um país de oportunidades. Temos condições de ocupar uma posição de destaque na nova fronteira da comunicação digital", disse a presidenta. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.