Eleições municipais devem afetar cronograma do switch-off analógico em 2016

O Ministério das Comunicações e o Gired (grupo de implementação da TV digital) devem divulgar, ainda este mês, o novo cronograma de desligamento do sinal analógico para 2016, com mudanças substanciais. Além do switch-off de Rio Verde (GO), que foi transferido para 15 de fevereiro deste ano, o desligamento deve se restringir apenas a Brasília, entre as grandes cidades, e mais 11 municípios do entorno da capital federal, pertencentes aos estados de Goiás e Minas Gerais.

É o que antecipa notícia publicada pelo próprio site do Minicom, no final do ano passado. A exclusão de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, que constam do cronograma atual, não foi confirmada oficialmente, mas é dada como certa por fontes ligadas ao tema. Os principais motivos não são mais os Jogos Olímpicos ou as dificuldades no atingimento do percentual de digitalização. A bola (ou argumento) da vez é a eleição municipal.

Como não há eleição municipal em Brasília, a cidade será mantida e o desligamento pode até acontecer antes do final da Olimpíada, como se previa anteriormente. Segundo fontes ouvidas por este noticiário, o novo cronograma deve ser elaborado levando em conta premissas básicas, como os recursos disponíveis para a digitalização, a necessidade de entrega da frequência comprada pelas teles na data combinada e a capacidade de recepção do sinal digital por 93% dos domicílios que atualmente recebem a programação da TV aberta.

Nesse quesito foi obtido um avanço no debate entre teles e radiodifusores. Os representantes das emissoras de televisão aceitaram abrir mão da margem de erro da pesquisa, o que significa que o desligamento pode ser autorizado com 90% dos lares atendidos e considerados aptos os domicílios exclusivamente atendidos por TV a cabo e também aqueles com cabo digital que tenham um segundo aparelho apto a receber a TV aberta digital.

Será avaliada também a possibilidade de distribuição do conversor para além dos beneficiários do Bolsa Família. Mas, nesse caso, a caixinha será simples, sem o Ginga, que garante a interatividade. As propostas devem partir do Gired, que ainda não tem data para voltar a se reunir. A experiência de Rio Verde é que deverá orientar esta decisão.

3 COMENTÁRIOS

  1. Depois que passarem as Olimpíadas, as eleições, o dia das crianças, Finados, Proclamação da República, qual será a nova desculpa?

    "Ah… as pessoas não vão conseguir assistir ao carnaval de 2020 então adie o switch-off"?

  2. Todo mundo sabe que é ano eleitoral… que planejamento de projeto é este que não considera este tipo de risco em seu cronograma? Brasil país de tolos, governado por incompetentes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.