CDR rebate União e Anatel ao questionar Decreto do novo modelo

Foto: Pixabay

A Coalizão Direitos na Rede (CDR) apresentou nesta terça-feira, 3, uma réplica à contestação apresentada pela União e Anatel na Ação Civil Pública (ACP) que questiona determinados pontos do Decreto 10.402/2020, que regulamentou a Lei 13.879/2019, o novo modelo. As rés alegam que a União não deve figurar no pólo passivo da ação e que as entidades não possuem legitimidades para a propositura da ação.

Em setembro, o juiz federal substituto Bruno Anderson da Silva decidiu indeferir o pedido de medida cautelar que constava ação. O mérito da ação ainda não foi julgado pelo magistrado. Na tentativa de recorrer da negativa do pedido de tutela de urgência, a CDR apresentou embargos de declaração, que ainda não foram julgados.

Na réplica, a CDR alega que os argumentos apresentados pelas rés na contestação não procedem. A rede de organizações diz que a União é sim parte legítima na condição de ré no processo, na condição de litisconsorte necessário.  "Isto porque, pretendendo-se seja reconhecida a nulidade de mais de um dispositivo de Decreto Presidencial, faz-se obrigatória a presença da União, de modo que se respeitem às garantias de ampla defesa e devido processo legal, dada a natureza da relação jurídica controvertida, que não se restringe aos questionamentos relativos aos bens reversíveis, compreendendo também a renúncia aos poderes inerentes à soberania quanto os recursos das radiofrequências, o que também integra o objeto desta Ação Civil Pública", diz a CDR na réplica.

Notícias relacionadas

Outro ponto atacado pela réplica apresentada pela CDR é a legitimidade das entidades que a integram para propor a ação. "Vale considerar que a jurisprudência dos tribunais superiores a respeito da legitimidade de associações para ações coletivas corrobora o entendimento de Vossa Excelência. As mais recentes e reiteradas decisões são no sentido de que a análise da legitimidade ativa para as ações coletivas deve ser flexível de modo a dar concretude às garantias de acesso à Justiça bem como viabilizar o cumprimento da finalidade constitucional que inspirou o estabelecimento das ações fundadas em direitos difusos e coletivos, qual seja, o controle social", argumenta a CDR.

A ACP

Na ação, a CDR argumenta que o Decreto 10.402/2020 estabeleceu critérios econômicos para o valor das adaptações considerando apenas os ativos hoje essenciais para a prestação da telefonia fixa (STFC), sem levar em conta alienações e respectivos ganhos durante o período desde a privatização. As entidades da CDR dizem que essas vendas proporcionaram bilhões de reais às operadoras e podem influenciar nos investimentos necessários para a incluir digitalmente mais pessoas no país.

O Decreto 10.402/2020 regulamenta a Lei 13.879/2019, que instaura o novo modelo de telecomunicações, permitindo o processo de migração de concessões para autorizações. A assinatura do texto foi feita na posse do novo ministro das Comunicações, Fábio Faria.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.