Minicom apoia a terceirização de torres de telefonia móvel

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirmou que a possibilidade de as empresas de telefonia móvel terceirizarem suas infraestruturas passivas como torres, por exemplo, pode ajudar nos projetos do governo de incentivar o compartilhamento de rede. “Não vejo problema nisto e acho que o aluguel de sites pode ajudar porque as empresas que serão donas das torres vão querer colocar várias operadoras num mesmo lugar”.

Notícias relacionadas

O ministro lembrou que nos próximos anos o País precisará de uma grande quantidade de antenas para a implantação da tecnologia 4G e este deve ser um nicho a ser explorado. Mesmo assim, de acordo com o ministro, ainda haverá a necessidade de novas instalações para atender com o 3G as áreas onde as teles ainda estão expandido o serviço ou ainda precisam cobrir. “E as empresas que atuarão nesta área vão tentar explorar algo razoável para o mercado”.

Paulo Bernardo participou do Brascom IT Forum, realizado nesta quinta-feira 4, em São Paulo. Em sua apresentação a empresários, reafirmou que um dos objetivos do governo é ter em vigor, ainda para este ano, o decreto que normatiza o compartilhamento de infraestrutura no País. “Precisamos incentivar [o compartilhamento] porque ainda tem aquela empresa achando que se não deixar o cara botar o equipamento na torre dela, ele vai ter menos cobertura num determinado local. Mas aí essa outra operadora coloca uma antena do lado, cobre do mesmo jeito e os dois gastam um dinheirão”.

O diretor executivo do SindiTelebrasil, Eduardo Levy, evitou comentar o assunto por entender que não há um pensamento homogêneo do mercado sobre o tema. “É uma decisão circunstancial de fazer ou não e depende da estratégia de cada empresa. Para uma pode fazer mais sentido agir desta maneira, para outra talvez seja mais interessante ter o seu equipamento, administrá-lo com o seu pessoal”.

A discussão ocorre após o fundo de investimentos ‘GP Investiment’ anunciar aporte inicial de US$ 164 milhões nesta área. E, dentre os negócios a serem fechados no Brasil, o primeiro foi o arrendamento de 1.912 torres da Vivo por um prazo inicial de 11 anos, aprovado pelo Cade em setembro último.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.