Publicidade
Início Newsletter Fornecimento de kits se normaliza, mas base da TVRO ainda é desconhecida

Fornecimento de kits se normaliza, mas base da TVRO ainda é desconhecida

Foto: Pexels

A escolha de Brasília para ligar o 5G na próxima quarta-feira, 6, aconteceu por conta do cenário com menor quantidade de acessos de TV parabólica, além das estações profissionais de satélite (FSS). Segundo o conselheiro Moisés Moreira, não houve nenhum problema reportado com a TVRO e os kits estão chegando, mas o desafio para o restante do País deverá ser maior porque ainda não há certeza para a quantidade de receptores da banda C existentes em domicílios com moradores beneficiários do Cadastro Único. Essas fam;ilias teriam direito a receber gratuitamente o kit de recepção em banda Ku. 

“Não conseguimos fechar o diagnóstico pelo tamanho do desafio – precisa ser para quem tem CadÚnico e ter TV parabólica funcionando”, colocou ele em participação no TeletimeTec, evento organizado por TELETIME nesta segunda-feira, 4. Em Brasília, diz, 400 famílias entraram em contato com Entidade Administradora da Faixa de 3,5 GHz (EAF), mas elas só estavam inscritas no cadastro único, e não tinham o TVRO ativo.

A boa notícia é que, após atrasos que motivaram o adiamento da liberação do espectro, como problemas na importação, na aduaneira, e por conta do lockdown na China e escassez de semicondutores, o fornecimento de kits está se normalizando. Mas apenas na semana passada é que foi realizada a primeira instalação do kit em Brasília. “A EAF informou ao GAISPI que o fluxo de equipamentos está sendo retomado”, diz.

Notícias relacionadas

No Brasil, estima-se uma base de 8 milhões de famílias com os dois requerimentos para receber o kit da migração da banda C para a banda Ku, de acordo com informações do PNAD 2019. Há então um desafio da comunicação para essas famílias. A EAF, que adota a marca fantasia Siga Antenado, tem feito campanha não apenas no site e em número 0800 para contato, mas também com comunicação em emissoras de TV, ônibus e jornais.

Em geral, nas capitais, há um impacto menor nessa questão. A EAF entende que há menor base nessas cidades, mas o problema com FSS é maior. A partir de 1º de janeiro, com as cidades acima de 500 mil habitantes ligando o 5G, há uma expectativa que “esse problema da TVRO pode aumentar rapidamente”, conforme comentou.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário Cancelar resposta

Sair da versão mobile