Com 2 milhões de aparelhos 5G na base, Claro só terá troca de chips para aplicações específicas

Márcio Carvalho

Se preparando para escalar a oferta de serviços 5G no Brasil, a Claro soma atualmente cerca de 2 milhões de clientes com aparelhos preparados para a tecnologia. A conta considera as modalidades de compartilhamento dinâmico de espectro (DSS), non-standalone (NSA) e standalone (SA).

Hoje, da base de aparelhos vendidos pela Claro, 70% são compatíveis com o novo padrão de redes. A conta inclui ao menos dois compatíveis com o core de rede standalone, que permite serviços mais sofisticados. "Alguns são compatíveis a nível de hardware e precisam de atualização, como modelos da Samsung e da Apple, que devem fazer upgrade quando existirem as aplicações", diz Márcio Carvalho, CMO da operadora.

No caso dos dois importantes fabricantes, a atualização poderá ser over-the-air e está sendo negociada para ser iniciada tão logo as redes SA da Claro entrem em operação, sinalizou o executivo. Mesmo assim, a depender do tipo de serviço a ser contratado pelo cliente, será necessário a troca de SIMCard, diz Carvalho, pois os requisitos de memória dos chips para estes serviços mudam.

Notícias relacionadas

Isso acontecerá se as funcionalidades contratadas dependerem do uso exclusivo do core standalone, como aplicações que dependam de slicing da rede (como serviços dedicados a clientes de games com alto desempenho, por exemplo) ou aplicações específicas de IoT. A Claro ainda está desenhando esses serviços que farão uso mais completo das funcionalidades da rede 5G SA.

Os números foram contextualizados por Carvalho, durante o TELETIME Tec, realizado em São Paulo nesta segunda-feira, 4. "Estamos falando de 2 milhões entre 70 a 80 milhões de linhas móveis ativas. É o início de uma curva, mas temos bons predicados para o futuro: globalmente, se fala que em 2022 vai vender mais aparelhos 5G do que 4G, o que já é uma inflexão importante".

Diferenciação

Ainda que os serviços via DSS e no padrão non-standalone já sejam 5G, é a oferta no modelo SA a partir de um core de rede dedicado à quinta geração que vai permitir serviços inovadores e com maior potencial de rentabilização.

"Na arquitetura nova, começam a rolar novas oportunidades de valor. Uma hora vamos ter que justificar esse investimento todo", apontou Carvalho. "Há aplicações que podem ser sim customizadas e exclusivas para ambiente de core SA, principalmente por questões de latência – como cloud gaming, aplicações de saúde como tráfego de diagnósticos e intervenções, educação com realidade virtual e aumentada, agro por questões óbvias no Brasil, a automação da indústria e o transporte autônomo para a malha logística".

Deixe seu comentário