Conselho de Comunicação sugere aprofundamento do debate sobe fake news

Foto: brotiN biswaS / Pexels

O Conselho de Comunicação Social (CCS) do Congresso Nacional aprovou na reunião realizada nesta segunda-feira, 4, o relatório do conselheiro Miguel Bastos sobre os Projetos de Lei que tramitam na Casa e tratam das fake news. Sete conselheiros (a maioria) referendaram o relatório, incluindo o destaque do conselheiro Davi Emerich, que deixou mais clara a posição do colegiado.

Com a votação, o relatório expressa que o CCS acompanha, com atenção, os debates estabelecidos pelos 14 Projetos de Lei que tramitam na Casa sobre o tema e destaca que "as matérias não conseguem abarcar a complexidade do fenômeno de notícias fraudulentas e por isso sugere a continuidade de debates mais amplos com a sociedade e no Congresso Nacional, fomentando, ao final, uma legislação contemporânea capaz de proporcionar um ambiente de comunicação livre independente e diverso, defendendo a própria democracia".

O relatório também teve um voto divergente da conselheira Maria José Braga, que sugeriu incluir no relatório uma posição semelhante à adotada pela União Europeia, com destaque para algumas ações, como: aumentar a transparência das notícias online, envolvendo compartilhamento de dados do sistema que permite circulação adequada e de acordo com os termos de privacidade; promover alfabetização midiática e informacional para combater a desinformação e ajudar usuários a navegar no ambiente digital; desenvolver ferramentas para capacitar usuário e jornalistas para combater a desinformação e promover envolvimento positivo com tecnologias de informação; salvaguardar a diversidade e a sustentabilidade do ecossistema dos meios de comunicação social e promover uma contínua discussão sobre os impactos da desinformação a fim de avaliar as medidas tomadas pelos diferentes atores e ajustar constantemente as respostas necessárias.

A conselheira também ressalta que notícias falsas devem ser rebatidas com mais informação, debates e confronto de ideias. No que se refere à punição, Maria José destaca que "ao invés de criminalizar o usuário, a agenda regulatória deve estar focada em como coibir a concentração de notícias falsas e como promover a diversidade na Internet. A legislação já em vigor deve ser considerada. O combate à informação falsa já se encontra no arcabouço regulatório, como legislação como direito de resposta e crime contra honra; além do Marco Civil da Internet, que prevê mecanismos de retirada de  conteúdo da Internet", conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.