TIM acredita em limpeza de espectro do 5G dentro do prazo

Foto: Pixabay

[Publicado no Mobile Time] A TIM segue otimista com o cronograma de entrega das frequências arrematadas no leilão do 5G. Durante o TIM Brasil Day 2022, evento da companhia com analistas de mercado e imprensa especializada, nesta quarta-feira, 4, Leonardo Capdeville, CTIO da operadora, afirmou que está em conversas com o grupo da Anatel (GAISPI) que acompanha a liberação das faixas. "A data está mantida".

"Não existem (grandes) desafios. Mas a cobertura não cresce em todos os lugares de forma instantânea, e nem o tráfego acontece no dia um (de ligação da rede). Existem ajustes que podem ser feitos em coordenadas, onde tenha uma possível interferência e nós consigamos mitigar de alguma forma se as engenharias das empresas trabalharem em coordenação com a EAF", disse. "Estou otimista, pois é um processo de cooperação", conclui.

Essa cooperação teria que ser coordenada com operadoras de satélite, especialmente no caso da banda C estendida – 3.625 a 3.700 MHz, o foco do GAISPI -, que é um dos principais pontos para a liberação de espectro nas capitais. Ainda assim, o executivo afirmou ao TELETIME e ao Mobile Time que não há motivos para preocupação em relação ao cronograma, com a conclusão da limpeza de espectro em junho, e o ligamento do 5G até final de julho. Durante a apresentação, ele destacou que a rede já está pronta para ser ligada assim que a faixa for liberada, e citou a implantação do primeiro core de rede 5G standalone no Rio de Janeiro, em março.

Notícias relacionadas

Capdeville comparou o atual momento com o 700 MHz no 4G. Para ele, era mais difícil naquela época com a distribuição do set-top box e receios de interferência do LTE na TV convencional, algo que não aconteceu. Ainda assim, o CTIO afirmou que, para ter as frequências liberadas no começo do segundo semestre, dependerá de "uma coordenação muito forte" e "ajustes" dos envolvidos.

Um exemplo de ajuste citado pelo executivo é o serviço fixo satelital (FSS) em Vargem Grande (RJ), uma região que tem diversos teleportos. "Teremos que tomar cuidado para que não interfira, até que os investimentos de filtros e outras contenções aconteçam. Se esses investimentos não acontecerem, talvez nós tenhamos que segurar um pouco a potência das ERBs. Por isso, precisará de um processo de coordenação nosso com EAF e, efetivamente, os provedores das soluções satelitais do FSS", explicou.

Capdeville lembrou ainda que a esperada migração da TV satelital (TVRO) não tem tanto impacto nas grandes capitais, uma vez que é utilizada mais em regiões periféricas e interior – esse tipo de localidade não faz parte do ligamento inicial do 5G que será focado nos grandes centros urbanos. (Colaborou Bruno do Amaral)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.