A indústria precisa prover ao usuário formas legítimas de assistir conteúdo, diz VP do Crackle

"Há um novo modelo de negócios. A sala de estar agora está em todo lugar", disse Jose Rivera-Font, vice-presidente de digital networks da Sony Pictures Television para a América Latina, explicando porque o grupo de mídia resolveu criar o Crackle, serviço de video on demand baseado em publicidade. Ele participou do TV 2.0, evento realizado pela Converge Comunicações, que edita este noticiário, nesta quinta, 4, em São Paulo.

O executivo afirmou que a Sony acredita que o usuário já não diferencia serviços na escolha pelo conteúdo. "Se ele quer ver 'Homens de Preto', ele vai ver no serviço que estiver disponível no dispositivo, lugar e momento em que ele quiser", diz. "No futuro as pessoas não saberão diferenciar o online do offline", completou. Segundo ele, é o comportamento do consumidor que está impulsionando as mudanças no mercado, e não a tecnologia de forma independente.

A pirataria de conteúdo online é uma espécie de termômetro do que o consumidor está pensando. Segundo Rivera-Font, 25% de todo o tráfego da Internet envolve conteúdo roubado. "Nós temos que prover ao usuário opções", diz, apresentando mais uma justificativa para o lançamento do serviço, que conta com conteúdo dos estúdios Sony e conteúdos comprados de outros provedores.

Segundo o executivo, o serviço, lançado localmente há pouco mais de um ano, já conta com 1,5 milhão de usuários no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.