Brasil é o quarto país na América Latina em penetração de LTE na população

[Atualizado em 11/02] O Brasil é o quarto país em penetração de LTE na América Latina, segundo dados da associação 4G Americas divulgados nesta quinta-feira, 4. Segundo dados da entidade, o País apresenta 12% de penetração em relação à população (12,39%, considerando últimos dados da Anatel e do IBGE), atrás de Uruguai (49%), Chile (18%) e Peru (13%). Para aumentar isso, a entidade sugere desburocratização regulatória, incluindo novas medidas para agilizar a instalação de antenas.

O levantamento mostra que havia ao final do ano passado na região 736,5 milhões de conexões móveis para uma população de 633 milhões de pessoas, levando assim a uma taxa de penetração de 116%. O 3G e o 2G estão praticamente empatados ainda no bloco, embora com leve vantagem (46%) para acessos HSPA, com 340 milhões de linhas. O GSM ainda é a segunda tecnologia mais popular, com 333 milhões (45%), seguida pelo LTE, com 53 milhões (7%). Outras tecnologias, como CDMA, TDMA e iDEN, correspondem aos 2% restantes, com 11 milhões de acessos.

A 4G Americas projeta uma evolução de 26 pontos percentuais (p.p.) em market share para o LTE entre o final de 2016 e 2020, alcançando 40% no encerrar do período. A entidade prevê que a penetração do 4G encerre o ano atual dobrando o market share e chegando aos 14%. Confira o gráfico abaixo.

4G Americas 110216 Atualizado

Vale lembrar ainda que, segundo dados da Anatel referentes a dezembro, o 4G no Brasil contava com 25,4 milhões de acessos, o que representa um market share em relação à base móvel total de 9,87% após um crescimento anual de 276%.

Silêncio positivo

Para o diretor geral da 4G Americas, José Otero, é necessário haver mais diálogos entre operadoras e reguladores para que se permitam maiores investimentos e mais infraestrutura na região, incluindo leis de antenas para agilizar o processo de implantação das redes nas cidades. "Sejamos realistas: há municípios que não têm o pressuposto para atender, uma pessoa que esteja encarregada de buscar as solicitações de forma rápida", declarou ele em conferência.

Otero propõe aos reguladores o modelo de autorização tácita para a implantação das antenas. "Recomendamos perspectiva de solicitar autorização e, se não houver resposta, que se valide a solicitação para poder agilizar todo o processo de implantação de infraestrutura", diz. É um conceito semelhante ao "silêncio positivo" proposto pelo Minicom para a Lei Geral das Antenas, mas que foi vetado pela presidenta Dilma Rousseff por ser considerado anticonstitucional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.