FCC investiga contratos de exclusividade de celulares nos EUA

A Federal Communications Comission (FCC), órgão regulador do setor de telecomunicações dos EUA, vai investigar os contratos de exclusividade entre operadoras móveis e fabricantes de celulares. É comum os fabricantes oferecerem a uma operadora exclusividade por um determinado período na venda de um novo modelo. Um dos casos de maior sucesso é o do iPhone, lançado com exclusividade pela AT&T Wireless e cuja exclusividade terminará no ano que vem. Um exemplo recente e que também gerou bastante repercussão foi o lançamento do Palm Pre pela Sprint. O problema é que a população de várias cidades do interior dos EUA que são atendidas apenas por operadoras de pequeno porte ficam excluídas das novidades. Em entrevista recentemente para a Reuters, o novo chairman da FCC, Julius Genachowski, questionou se tais contratos de exclusividade afinal promovem ou atrapalham a inovação na telefonia móvel. Como parte do mesmo inquérito, a FCC investigará se houve influência da AT&T Wireless na decisão da Apple de remover da App Store do iPhone aplicativos ligados ao serviço Google Voice.
De acordo com o site Rethink Wireless (www.rethink-wireless.com), a Verizon Wireless se comprometeu recentemente a dar a operadoras regionais que tenham até 500 mil assinantes acesso a seu portfólio de aparelhos exclusivos, mas apenas seis meses depois de cada lançamento.
Brasil

Notícias relacionadas
Contratos de exclusividade de venda de aparelhos são comuns no mundo inteiro, inclusive no Brasil. A operadora se compromete a comprar um volume grande de um determinado lançamento e pede, em troca, um período de exclusividade para as vendas. No Brasil, apenas a Oi não pratica mais esse tipo de contrato porque de dois anos para cá tem focado na venda de SIMcards e serviços, em vez de handsets.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.