Anatel sugere que saldo do PGMU 3 seja vinculado ao PERT

Orelhão, TUP

Em uma nova decisão dividida (3 x 2), em circuito deliberativo concluído nesta quinta-feira, 3, a Anatel decidiu que irá sugerir ao Ministério de Ciência , Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) que os recursos do saldo do Plano Geral de Metas de Universalização (PMGU 3) deverá ser vinculados às políticas públicas definidas pelo governo e ao PERT (Plano Estrutural de Redes de Telecomunicações). O PERT deverá ser colocado em consulta pública em breve. A proposta foi feita pelo presidente Juarez Quadros em seu voto. O conselho revisou o cálculo da área técnica referente aos saldos existentes e chegou a um número de R$ 3,7 bilhões.

O conselheiro Aníbal Diniz, que é o relator do PERT no Conselho Diretor, afirmou que em breve irá coloca-lo em pauta para a apreciação do colegiado. "O PERT será a resposta não só para os saldos do PGMU, mas para a aplicação de todos os recursos públicos do setor de telecomunicações", afirmou o conselheiro. Além de Aníbal Diniz e Quadros, Otávio Rodrigues também votou pelo mesmo encaminhamento.

Do outro lado, o conselheiro Emmanoel Campelo, relator do processo, manteve o seu voto proferido na análise do o Regulamento de Universalização, arquivado há duas semanas.  Voto, aliás, que seguia a linha do conselheiro Leonardo Euler, em que era sugerido que se aplicasse os recursos na construção de redes de backhaul em fibra nos municípios não atendidos, a possibilidade de cobertura rural pela faixa de 450MHz, redução de tarifas ou enterramento de rede aérea em determinados municípios.

Saldo

Outra novidade foi o valor do saldo. Em princípio, a área técnica da agência chegou a R$ 3,3 bilhões, referentes às mudanças implementadas com a redução das obrigações de Terminais de Uso Público (TUPs), Postos de Serviço e backhaul. Em seu voto, que este noticiário teve acesso, o presidente do órgão regulador, Juarez Quadros, destaca que há uma discrepância e que o valor que a agencia entende como devido chega a quase R$ 3,7 bilhões. No entanto, o valor não encontra consenso junto às concessionárias do Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC), que questionam sobretudo o valor atribuído aos Postos de Serviços Multifacilidades (PSM).

Segundo levantamento feito pelo gabinete de Juarez Quadros, dos R$ 3,691 bilhões, a Oi tem um saldo de R$ 2,61 bilhões; a Vivo, R$ 494,9 milhões; Algar com R$ 36,84 milhões e; a Sercomtel com R$ 5,1 milhões.

A discussão no Conselho Diretor foi motivada por um ofício enviado pelo MCTIC em outubro do ano passado, em que solicitava que a agência apresente um plano de aplicação  dos saldos do PGMU 3 e que também concilie, junto às concessionárias do STFC, os valores dos saldos remanescentes do PGMU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.