Crise na indústria de cobre prejudica setor de fibras ópticas

Além do déficit na balança comercial (de US$ 90 milhões somente nos dois primeiros meses deste ano) gerado pela desvalorização do dólar, a indústria brasileira de cobre sofre com outro problema até mais sério: a previsão de falta do minério nos próximos anos. O diagnóstico é do diretor de redes da Furukawa, Helio Durigan, diretamente interessado no assunto, uma vez que a crise tem desdobramentos não só no segmento de cabos telefônicos como também no setor de fibras ópticas, ambos os produtos fabricados pela empresa no Brasil.
Segundo o executivo, os maiores produtores de cobre do mundo são o Chile, a Zâmbia e a Austrália e já não conseguem mais dar conta de toda a demanda mundial. "Só a China consome 40% deste minério e, com isso, o cobre virou moeda financeira, de tão valorizado", diz. Ele conta que o valor da tonelada do cobre no mercado internacional nos últimos três anos está em torno de US$ 10 mil. "Antes disso, esse custo variava entre US$ 1,7 mil e US$ 2,7 mil", lembra.
Como os contratos com as operadoras de fornecimento de cabos de cobre são indexados pelo custo do minério, diz Durigan, este mercado não tem sido mais vantajoso para a Furukawa. "Além disso, há muitas empresas brasileiras que só produzem cabo telefônico e, por isso, entram nas licitações das teles com custos muito baixos, valores que não interessam para nós", explica.

Notícias relacionadas
O executivo da Furukawa também alerta para a influência indireta da alta do cobre no setor de fibras ópticas. "Com o cabo telefônico mais caro, aumenta a procura e também a oferta por fibra óptica, que sofre redução do preço", diz.
Por estes e outros motivos, a Furukawa pretende descontinuar a fabricação de cabos telefônicos (CTP/APL) nos próximos dois anos. "A partir de 2013 a produção terá sido encerrada", afirma Durigan.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.