Ericsson: uso intensivo da conectividade durante pandemia incentiva P&D para 5G

Enquanto o mercado e a sociedade são transformados pelos impactos da crise da pandemia de coronavírus no mundo, a promessa do 5G promover outro tipo de mudança continua em foco, com pesquisa e desenvolvimento incentivadas por fornecedores. A aposta da Ericsson é justamente em promover isso em parceria com instituições acadêmicas, seguindo uma estratégia que já vem sendo adotada há anos e que já garantiu o registro de patentes e contribuição para padronização da tecnologia. A ideia é que a conectividade já é fundamental no contexto atual, e assim continuará após a crise.

"O que eu imagino é que todos nós vamos sair diferentes da situação, mas ficará o legado de aprendizado forçado. Algumas pessoas foram forçadas ao uso mais intenso do benefício da banda larga, mas não vão renunciar isso para voltar ao [padrão de consumo] que era antes. Vai ter 'cascateamento', e isso favorece a aceleração das atividades de P&D para dar vazão ao desejo da sociedade", analisa o diretor de pesquisa, desenvolvimento e inovação da Ericsson, Edvaldo Santos. 

Isso terá repercussão na fase de mudança tecnológica. Santos compara com o impacto do 4G, citando a transformação do modo como se consome música (mesmo a digital, sem a necessidade de armazenamento nos dispositivos, que agora podem fazer streaming do áudio de forma mais confiável). "No caso do 5G, não vai ser diferente. Vão surgir tantas inovações que o perfil de consumo vai mudar radicalmente, terá novos modelos de negócios. Eu acho que a situação que a gente está vivendo acelera o processo", opina, citando a aceleração já sentida em frentes como o ensino a distância.

Brasil em destaque

Atualmente, o braço brasileiro da companhia trabalha em posição de comandar uma equipe mundial na P&D do conceito de redes com automatização de processos, batizado de zero touch networks (também conhecido como as self-organized networks – SON). "Isso mostra a relevância do centro da Ericsson, e é crédito do Brasil. Em se tratando de redes 5G, o País não é mero consumidor de alta tecnologia desenvolvida no exterior – a gente participa do nascimento dessas redes", declara. 

A Ericsson ainda trabalha com pesquisas em educação, como o uso de realidade aumentada e 5G para melhorar o aprendizado. O mesmo conceito, diz, pode ser usado também para telemedicina, aplicável em áreas remotas do País. A companhia fez recentemente uma demonstração de um exame de ultrassom a distância utilizando a rede de quinta geração em parceria com a TIM.

"Enaltecer o valor do brasileiro nessas cadeias globais de inovação e geração de valor serve até para incentivar outras empresas. A gente concorre muito bem globalmente", avalia Santos. Para ele, é necessário também desmistificar determinados tópicos como a inteligência artificial no País. "A gente está falando de técnicas de programação e conhecimento estatístico e matemático. São coisas que as universidades brasileiras têm preparado. Temos barreiras de entradas, mas nesse segmento são muito baixas, e isso cria oportunidade para o Brasil participar ainda mais ativamente nessa cadeia de valor e riqueza."

Parcerias

A Ericsson tem como forte componente da pesquisa e desenvolvimento a parceria com instituições. Uma delas é no conceito de melhora de eficiência espectral com múltiplas entradas e saídas massivas (MIMO, na sigla em inglês), tecnologia que já era utilizada no 3G e mesmo em frequências não licenciadas, mas que é fundamental para o 5G. A parceria com a Universidade Federal do Ceará (UFC) trabalha em frequências mais altas, as ondas milimétricas (mmWave)

A companhia também trabalha em projetos de P&D com universidades federais do Pará e de Pernambuco, além da USP, da Unicamp, da Inatel de Santa Rita do Sapucaí (MG) e da federal de Campina Grande (PB). Com a UFPA, há comando de drones com uso de inteligência artificial para segmentos como agronegócio ou mineração. Já com a UFPE, a fornecedora desenvolve prova de conceito de robôs autônomos – isto é, sem conexões de cabos prendendo e limitando a movimentação. "Você libera o robô de todo o cabeamento, e ele passa a ser um companheiro na linha de produção, deslocando-se para buscar materiais no almoxarifado ou atuando na montagem de equipamentos eletrônicos, reduzindo a falha humana", explica Edvaldo Santos.

No Brasil, a fornecedora também trabalha na tecnologia de apoio a novos modelos de negócio com a quinta geração, com a medição mais exata de consumo de serviços. A ideia é levar inteligência artificial para as próximas plataformas de charging e billing para melhorar a precisão das faturas. "A complexidade da rede subirá exponencialmente, então é necessário um sistema que coleta as informações para ter a conta com fidelidade nas informações", explica. O trabalho com IA é com base em padrões de consumo de recursos de rede. Dessa forma, consegue indicar média ou alta probabilidade de falha também, o que traz eficiência da rede. "Dá para fazer uso de dezenas ou centenas de tarifações individuais", conclui Santos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.