Fabricantes anunciam primeiros modems multímodo LTE TDD

A Índia será o primeiro país do mundo a lançar serviços comerciais de quarta geração (4G) sobre redes com a tecnologia LTE-TDD. Em outros países onde já existe infraestrutura de quarta geração, como a Suécia, o padrão adotado é o de LTE-FDD. A chegada dos primeiros modems multimodo para acesso em LTE-TDD foi anunciada esta semana por quatro fabricantes diferentes: BandRich, Huawei, Quanta e ZTE. Todos utilizam chipsets da linha MDM9x00, desenvolvida pela Qualcomm. São chamados de "multimodo" porque operam em outras tecnologias também, como redes 3G. Os produtos chegarão às prateleiras ainda este ano, junto com a entrada em operação das redes nesse padrão. Além dos modems, existe a expectativa de que alguns desses fabricantes lancem em breve tablets e smarphones para LTE-TDD. Havia, até recentemente, uma expectativa entre os fornecedores de que a Sky fosse a primeira operadora a usar a tecnologia, justamente no Brasil, onde pretende lançar serviços de banda larga wireless na faixa de 2,5 GHz com TD-LTE.

História e análise

O leilão de 4G na Índia foi realizado no ano passado e arrecadou US$ 8,2 bilhões. Foram vendidas licenças de 20 MHz na faixa de 2,3 GHz, batizadas como licenças de BWA (Broadband Wireless Access). Entre as vencedoras estão as operadoras Relliance, Aircel e Bharti Airtel, além da própria Qualcomm. Não será a primeira vez que a fabricante de chipsets norte-americana se aventura no papel de operadora de serviços. Outro exemplo foi a operação de TV via Mediaflo montada nos EUA. A Qualcomm costuma adotar essa estratégia sempre que deseja fomentar um determinado serviço, atrelado, logicamente, à sua venda de chipsets.

Notícias relacionadas
A Índia tem uma população de 1,2 bilhão de pessoas, 600 milhões de linhas móveis em serviço, mas apenas 12,3 milhões de assinantes de banda larga fixa. Redes 3G foram lançadas recentemente e sua capacidade está mais dedicada para serviços de voz. Dessa forma, acredita-se que o LTE possa ser o caminho para massificar no futuro a banda larga no país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.