Operadoras de 68 países já começaram a desligar redes 2G e 3G

Com a consolidação do 4G como principal tecnologia de acesso móvel e a chegada do 5G ao redor do globo, 135 operadoras de telecom de 68 países e territórios já têm iniciativas em execução ou planejadas para desligamento das redes 2G e 3G.

Os dados são de levantamento da Global mobile Suppliers Association (GSA), que reúne uma série de fornecedores da indústria móvel. Até julho de 2022, 75 operadoras haviam divulgado ou iniciado planos de desativar o 2G, ou o mesmo número das que pretendiam desligar o 3G. Algumas operadoras tocam ambos os processos.

Nos casos onde o descomissionamento foi concluído, a terceira geração de redes parece estar ligeiramente mais visada: 26 empresas de 15 países já terminaram o switch-off do 3G, sendo que no 2G, 23 operadoras de 14 nações finalizaram o desligamento.

Notícias relacionadas

"A taxa de desativação para ambas as tecnologias continuará a aumentar, com o desligamento do 3G em particular superando o de seus antecessor", apostou a GSA. Segundo a entidade, o "ano mais popular" para as operadoras que devem realizar o switch-off será 2025.

Regiões

O levantamento não mapeou nenhuma operadora brasileira que atravesse o descomissionamento das redes legadas. Neste sentido, vale destacar um acordo para compartilhamento do 2G entre TIM e Vivo e que deve permitir o desligamento de parte da rede de cada uma das empresas.

Regionalmente, o cenário também é incipiente, com a América Latina e Caribe computando apenas 1% dos desligamentos 2G/3G ao redor do mundo (a Claro Colombia, que planeja desligar a segunda geração). Dentre as empresas mais ansiosas pela aposentadoria das redes móveis legadas estão as europeias (63% dos processos em andamento), seguidas das asiáticas (21%).

Do ponto de vista estratégico, 53% das operadoras mapeadas globalmente devem ofertar 4G e 5G após a desativação das tecnologias mais antigas, inclusive a partir da reutilização do espectro que suporta a prestação. Outras 31% planejam seguir apenas com 4G, ao passo que 13% vislumbram um upgrade direto para o 5G.

Deixe seu comentário