Copel Telecom deve ser vendida em 2019

Foto: Pixabay.com

O movimento já era esperado desde o ano passado, mas agora é oficial. A Copel deve colocar a sua subsidiária de redes de telecomunicações, a Copel Telecom, formalmente à venda nos próximos meses. A decisão já foi sinalizada a analistas de investimentos e o processo interno de desinvestimento nos ativos não-estratégicos começou. Nas próximas semanas será contratado o "advisor" que conduzirá o processo e ajudará a empresa a decidir a melhor forma de se desfazer dos ativos. Há várias opções sendo analisadas, desde a venda completa até a venda de uma participação, mas necessariamente com venda do controle.

Definições

O que será definido ainda é o modelo que atraia mais candidatos ao leilão, que possivelmente acontecerá no final do ano, em novembro. Outra análise que ainda está sendo feita é quais as partes da rede da Copel Telecom são absolutamente estratégicas e não poderão ser vendidas. O restante será oferecido ao mercado. E um bônus do processo é que a Copel possivelmente vará a venda da subsidiária já assegurando um contrato de uso de capacidade para suas atividades que envolvam telecomunicações, atuais e futuras.

A rede de fibra ótica da Copel Telecom tem 34 mil km, praticamente toda no Paraná (a fibra chega a 399 municípios), e em 85 cidades está ramificada também com redes metropolitanas, pelas quais oferece serviço de banda larga residencial a 181 mil assinantes com FTTH. A decisão de vender a infraestrutura se justifica por não ser um ativo essencial ao negócio principal da companhia, e mesmo assim demandar investimentos anuais de R$ 290 milhões. A Copel pretende investir na sua rede de energia e os recursos drenados para a subsidiária de telecomunicações fazem falta. O processo de venda precisará passar também por um processo legal uma vez que a Copel é estatal.

Em 2018, a Copel Telecom teve receita operacional líquida de R$ 433 milhões, EBITDA de R$ 122 milhões e lucro de R$ 34 milhões (o lucro caiu 40% em relação a 2017), conforme o último balanço da empresa.

A eventual venda da Copel Telecom independe das negociações em curso para a venda da Sercomtel. Na empresa de telecomunicações de Londrina, a Copel é minoritária. A Sercomtel está em risco de perder a concessão na Anatel por conta da complicada situação financeira, mas atualmente o processo está parado aguardando a concretização do interesse de um possível comprador

5 COMENTÁRIOS

  1. É uma pena, sou usuário do serviço Copel Telecom e sei o quanto ele é bom, sem falar que vai diminuir a concorrência no mercado, porque certamente vai ficar com Vivo ou Claro.

  2. A Sobra de capacidade de rede e a prostituição do mercado faz com que empresas serias saiam do mercado, deixando espaço para os bagunçados novos entrantes…

  3. Vender a Copel Telecom é a forma de transformar instantaneamente um serviço razoável num serviço péssimo, como o das NET e VIVO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.