Rússia se recusa a lançar satélites da OneWeb após sanções do Reino Unido

Com lançamento marcado para a próxima sexta-feira, 4, a OneWeb foi pega no meio da crise da guerra na Ucrânia promovida pela Rússia. A agência espacial russa, a Roscosmos, se recusou a realizar o lançamento do foguete Soyuz embarcado com 36 satélites de órbita baixa, a menos que o governo do Reino Unido se comprometa com certas condições. 

Entre as requisições da Roscomos está que a constelação não seja utilizada para fins militares e que o governo britânico venda sua participação na OneWeb. A emissora norte-americana CNBC afirma que essas demandas foram em resposta às sanções do Reino Unido contra o sistema financeiro russo por meio da desconexão da rede Swift

Pelo Twitter, o secretário de negócios e energia britânico, Kwasi Kwarteng, deixou claro contudo que o governo do país europeu não pretende negociar essas condições. "Não há negociação na OneWeb: o governo do Reino Unido não vai vender sua participação", declarou ele, dizendo que iniciou conversas com os demais acionistas da empresa de satélites sobre os próximos passos.

Notícias relacionadas

Entre os negócios oferecidos pela OneWeb, o de comunicações críticas para governo é um dos pilares, incluindo segurança nacional para exércitos, marinhas, aeronáuticas e espaço.

A OneWeb foi adquirida pelo governo britânico e o grupo indiano Barthi Global em julho de 2020, após a empresa enfrentar um processo de recuperação judicial (Chapter 11) e ter sido fortemente impactada pela pandemia. Em outubro passado, a Eutelsat aumentou a participação na operadora, ficando com cerca de 29% do capital social. Ainda são investidores na OneWeb a operadora Hughes (da EchoStar) o grupo japonês SoftBank e a Hanwha Techwin, subsidiária focada em segurança da Samsung

Deixe seu comentário