O que fica do Mobile World Congress 2017

Terminou mais uma edição do Mobile World Congress, que aconteceu esta semana em Barcelona. Não foi a primeira vez que o evento coincidiu com o Carnaval. Aliás, nos 10 anos em que este que escreve acompanha o evento, foi a segunda vez que isso aconteceu, salvo engano. E mesmo que o evento não tivesse coincidido, ter uma dimensão mais completa do que aconteceu de mais relevante pode ser complicado pelo volume de informações. Por isso, preparamos um roteiro com uma visão geral e algumas análises sobre aquilo que a nossa equipe considerou mais importante.

1) Voltamos às origens:  o foco este ano foi no debate estratégico, e não nos gadgets e dispositivos com foco no consumidor. Esse ano, felizmente, a Samsung resolveu não anunciar nenhum handset na feira, e as outras empresas fabricantes não chegaram a causar grande barulho. Sem grandes inovações, os ciclos de lançamento dos handsets parecem ter se tornado mais do mesmo, apenas com especificações melhores. A ponto de o grande sucesso da feira ter sido o relançamento do Nokia 3310, um handset de 17 anos atrás. Se  milhares de blogueiros que costumam vir a Barcelona apenas para esse tipo de evento ficam sem muito o que fazer, o mesmo não se aplica aos veículos que acompanham o mercado por dentro, como TELETIME. Em um primeiro momento pode parecer que o MWC2017 tenha um pouco monotemático, ou bi-temático: IoT e 5G, mas não nos deixemos enganar, pois algumas coisas muito significativas aconteceram. A seguir.

2) Conteúdo é rei. Esse lema, tão presente na primeira década dos anos 2000, voltou à pauta central do MWC2017, talvez porque a AT&T tenha comprado a Time Warner, talvez porque as empresas de telecomunicações tenham se dado conta que não adianta ficar se queixando das empresas de Internet e não fazer nada. Tamanho foco em conteúdo era algo que não acontecia desde pelo menos 2008, quando o iPhone havia mostrado para o mundo das telecomunicações que o jogo tinha mudado. Na edição deste ano houve discussões e palestras com pelo menos três dezenas de empresas de mídia, Internet e publicidade. Em pauta, duas questões centrais: parcerias e estratégias. Em essência, como as teles podem fazer aquilo que as empresas de Internet estão fazendo. Algumas matérias que resumem esses movimentos:

https://teletime.com.br/teletime/28/02/2017/teles-e-empresas-de-midia-se-aproximam-mas-por-caminhos-diferentes/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/27/02/2017/para-att-consumidores-valorizam-o-conteudo-nao-tecnologia/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/27/02/2017/netflix-e-apenas-mais-um-canal-diz-seu-ceo/?noticiario=TT

3) Um novo tom da GSMA. A principal associação global de empresas do setor de telecomunicações, a GSMA, que congrega nada menos do que 800 operadoras e organiza o evento em Barcelona, tem normalmente como chairman o presidente de uma delas. Pela primeira vez a responsabilidade ficou com uma operadora de um país em desenvolvimento. Sunil Bharti Mittal é indiano, bilionário e acionista do grupo Bharti, que entre outras coisas tem a Airtel, maior operadora do país com 400 milhões de clientes. Mittal sempre rendia boas declarações em suas aparições públicas, e agora tornou-se o porta-voz do setor. E nesta sua primeira participação no evento de Barcelona como chairman da GSMA ele trouxe muitas pautas polêmicas para a mesa: pregou que as operadoras de telecomunicações fossem além do compartilhamento tradicional e buscassem o modelo de operadoras de rede (que ele chama de "netcos"), compartilhando estruturas e recursos; assumiu a bandeira do fim do roaming como uma forma de melhorar a imagem da indústria com os consumidores (imagem que ele reconhece ser péssima) e defendeu que o mercado se concentre. Algumas matérias que tratam desse tema:

https://teletime.com.br/teletime/27/02/2017/gsma-aponta-riscos-de-rentabilidade-anuncia-guerra-ao-roaming-e-defende-redes-compartilhadas/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/01/03/2017/gsma-consolidacao-e-saida-e-empresas-de-conteudo-podem-ser-alvo/?noticiario=TT

4) Se não pode vencê-los, junte-se a eles. O tom em relação às empresas de Internet ainda é predominantemente hostil no maior evento de telecomunicações do mundo, mas muito menos do que em outros tempos. Ainda se fala em assimetria regulatória, concorrência desigual, "free riders" (para designar os serviços que consomem rede mas não investem em infraestrutura)  etc. Mas mais e mais operadoras começam a adotar estratégias semelhantes às das empresas da Internet, ou seja, oferecer aos consumidores conteúdos e serviços que tenham como origem a análise dos dados dos próprios usuários. Tudo isso passa por uma boa dose de inteligência nas redes, pela análise dos dados de uso dos clientes, inteligência artificial. Tudo isso para fazer o que o Google e outras empresas de Internet fazem: dar ao consumidor aquilo que o comportamento deles mostra que será de interesse. A Telefônica anunciou no começo do MWC 2017 a sua plataforma de inteligência de dados, ou "quarta camada da rede chamada de "Aura", que além de uma assistente pessoal virtual para várias funções, é também uma forma de atrair parceiros que passarão a explorar serviços com base na análise de dados do consumidor. A diferença, diz a Telefônica, é que o consumidor sempre terá a opção de dizer não ao uso de seus dados. A conferir. Matérias sobre essa temática:

https://teletime.com.br/teletime/26/02/2017/telefonica-lanca-plataforma-de-inteligencia-cognitiva-deixamos-de-ser-uma-rede-burra-diz-ceo/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/01/03/2017/vez-da-inteligencia-artificial-em-barcelona/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/01/03/2017/telefonica-o2-adota-machine-learning-para-melhorar-desempenho-e-reduzir-churn/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/28/02/2017/criador-do-pokemon-go-quer-mais-parcerias-com-teles/?noticiario=TT

5) FCC e a Internet – Foi uma grande, enorme mudança do regulador do país mais poderoso do mundo em relação a temas como regulação da Internet, neutralidade, modelos de negócios digitais etc. Se na gestão Obama a FCC adotava uma regulação em linha com o que defendiam as principais empresas da Internet e "think tanks" ligados ao direito digital, Ajit Pai, o novo chairman, virou o jogo, e a FCC volta a falar a língua das teles: regulação precisa atrair investimentos em infraestrutura, porque ela é necessária e porque também as redes precisam inovar e se tornar inteligentes. O primeiro grande discurso público de Ajit Pai foi no MWC. E ele disse o que a indústria de telecom vem dizendo há alguns anos. Sobre o tema, recomendamos a leitura:

https://teletime.com.br/teletime/28/02/2017/fcc-defende-regulacao-que-incentive-inovacao-e-desenvolvimento-tambem-nas-redes-e-nao-so-em-aplicacoes/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/26/02/2017/nas-previsoes-da-nokia-para-2017-neutralidade-de-rede-em-xeque/?noticiario=TT

6) Governo em peso no MWC – O governo brasileiro, entre Anatel, MCTIC e representantes do Congresso, esteve com uma delegação expressiva em Barcelona. Mais de 20 pessoas entre ministro, senadores, deputados, secretários e conselheiros da Anatel. A agenda previa há alguns tempos alguns anúncios na área de IoT e 5G. Vieram na forma de dois acordos firmados com associações ligadas à União Europeia para cooperação, incluindo a participação das empresas brasileiras representadas pela Telebrasil. De brinde, o governo ainda pôde comemorar os resultados de um índice divulgado pelo Facebook que coloca o país em uma posição razoável entre 75 países para Inclusão na Internet. Sobre a presença do Brasil no evento:

https://teletime.com.br/teletime/27/02/2017/projeto-brasil-5g-reduzira-delay-para-introducao-da-tecnologia-no-pais-diz-kassab/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/28/02/2017/brasil-e-europa-assinam-termos-de-cooperacao-em-iot-e-5g/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/01/03/2017/brasil-esta-na-posicao-18-em-indice-de-internet-inclusiva-do-facebookeconomist/?noticiario=TT

7) O ano da Internet das Coisas – Foi o Mobile World Congress da Internet das Coisas. Nunca o evento teve tantas montadoras presentes, tandos robôs (de uso geral e industrial), tantos drones e soluções de conectividade entre máquina nos pavilhões de exposição. A expectativa é de uma rápida e massiva adoção de soluções de IoT, mesmo com os problemas ainda pendentes de padronização e com a falta da quinta geração de serviços móveis (5G) que virá justamente para interligar tudo isso e que só deve chegar em 2019 ou 2020.

https://teletime.com.br/teletime/27/02/2017/softbank-esta-aberto-parceiros-e-investidores-para-seu-fundo-de-30-anos/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/01/03/2017/mais-de-30-redes-lpwa-ja-foram-lancadas-no-mundo-diz-gsma/?noticiario=TT

8) 5G já aparece (grande) no horizonte – A data oficial de chegada é 2020, mas as demonstrações em escala estão na boca de comerçar a acontecer, esse ano ainda, e o processo de padronização corre o risco até mesmo de ser acelerado. Como em toda evolução de tecnologia, surgem os questionamentos de sempre: muito cedo para uma nova rodada de investimentos, dificuldades de padronização. O 5G não nega as mesmas dores por que passaram o próprio GSM, as redes 3G e 4G e agora. A novidade é que as coisas parecem estar de fato mais aceleradas no mundo da 5G, porque o alvo não é apenas a evolução das redes das teles, mas de vários setores da economia que se beneficiarão das redes de IoT. Uma outra novidade é a tendência de "cloudificação" das redes, ou seja, todos os elementos de controle e configuração passam a ser baseados em software. É a etapa seguinte à virtualização das funções das redes (NFV). Esse ano, o pós-NFV veio com tudo.

https://teletime.com.br/teletime/01/03/2017/padronizacao-do-5g-pode-ser-acelerada-mas-conflitos-de-espectro-e-capex-das-operadoras-podem-ser-problema/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/28/02/2017/huawei-amplia-oferta-de-plataformas-para-servicos-na-nuvem/?noticiario=TT

9) Privacidade e segurança – Não é possível falar de IoT sem discutir a questão da segurança das redes e dispositivos conectados e a privacidade e preservação destas informações. O problema piora quando as teles (conforme descrito no item 4) ensaiam passar a usar massivamente as informações de seus consumidores para desenvolver novos modelos de negócio. O assunto foi mais recorrente e presente do que nunca no Mobile World Congress deste ano. Eis alguns destaques sobre isso:

https://teletime.com.br/teletime/27/02/2017/mobile-connect-e-nova-promessa-de-receita-para-operadoras/?noticiario=TT

https://teletime.com.br/teletime/28/02/2017/nova-regulacao-europeia-de-privacidade-de-dados-trara-impacto-para-outras-regioes/?noticiario=TT

10) O que esperar em 2018 – Há 10 anos, o Mobile World Congress ainda estava tentando entender o que a Apple queria fazer no mercado de celulares, com um aparelho que havia sido lançado semanas naquele daquele início de 2007, mas que ninguém durante o evento deu muita bola. A preocupação na ocasião era a expansão das redes 3G, que estavam começando a aparecer. Não existia Android, Netflix só era conhecido pelos assinantes do serviço de DVD pelo Correio, conteúdo nos celulares ainda eram restritos a email e música (e ringtones). Num ambiente assim a única coisa que é possível dizer é que o MWC seguirá sendo, ao mesmo tempo, instigante e exaustivo. A data anunciada para o próximo ano é de 26 de fevereiro a 1 de março de 2018, e não coincidirá com o Carnaval (13 de fevereiro).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.