WhatsApp alega que é baseada somente nos EUA

O WhatsApp bate o pé e refuta a afirmação de que possui representante legal no Brasil.Em resposta aos argumentos apresentados por advogados especialistas em direito digital sobre a legalidade da operação da empresa, afirmando que ela deveria seguir a legislação brasileira (no caso o Marco Civil da Internet), a assessoria de imprensa enviou um comunicado a este noticiário reafirmando ser operação independente do Facebook.

Volta a dizer ainda que a arquitetura do serviço não permite o armazenamento das informações. Segue a nota na íntegra:

O WhatsApp é uma empresa separada, baseada somente nos Estados Unidos, que opera de forma independente do Facebook e do Facebook Brasil. Nosso serviço, criado em 2009, é arquitetado de forma que quando a mensagem chega no celular do usuário, não é guardada no nosso servidor. Isso nos permite oferecer uma experiência mais rápido e confiável para nossos usuários.

Notícias relacionadas

Vale lembrar que, conforme explicou a este noticiário a professora de direito internacional da USP, Maristela Basso, a jurisprudência é flexível na hora de considerar representatividade de uma empresa no Brasil, considerando qualquer escritório vinculado, mesmo que seja de uma subsidiária ou apenas da matriz, como é o caso, como sede. "Se tem um escritoriozinho aonde chega correspondência, aquilo já é o bastante", disse ela na terça-feira.

Em fevereiro de 2014, o Facebook comprou o WhatsApp por US$ 22 bilhões. O serviço de mensagens passou a contar com assessoria de imprensa no Brasil desde a semana passada.

Novo bloqueio

Livrar-se da investigação da Polícia Federal de Sergipe pode não ser o único problema do WhatsApp no País. Em audiência em Brasília na terça-feira, 1º, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga crimes cibernéticos, o delegado do departamento especializado em investigação criminal, Fabiano Barbeiro, declarou que pode voltar a pedir junto ao Judiciário a suspensão do serviço de troca de mensagens. Barbeiro solicitou a suspensão do aplicativo no ano passado, e afirmou ontem que a empresa ainda não forneceu as informações solicitadas – a Polícia Federal investiga troca de mensagens de membros da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) pelo aplicativo. O delegado afirmou ainda que outra medida possível seria a responsabilização criminal de representantes da empresa no País – exatamente como ocorreu na terça-feira, o que resultou na prisão em São Paulo do vice-presidente do Facebook para a América do Sul, Diego Jorge Dzodan.

Em outra audiência da CPI, um representante do WhatsApp justificou que a empresa não pode obter as mensagens por conta da criptografia e porque não armazena conversas em seu sistema – o backup oferecido dentro do aplicativo é vinculado a serviços como Google Drive e iCloud, em armazenamentos nas contas privadas dos usuários. O delegado Barbeiro argumentou, no entanto, que o conteúdo fica armazenado quando a mensagem não é entregue, o que indica que há infraestrutura para armazenamento. Na opinião dele, a empresa não está cooperando por conta de interesses comerciais. "Não consigo conceber o fato ou a alegação de que a empresa não tenha capacidade técnica de atender esse pedido", disse ele, segundo informações da Agência Câmara.

1 COMENTÁRIO

  1. Mais um analfabeto tecnológico da área do Direito! A frase "… o conteúdo fica armazenado quando a mensagem não é entregue, o que indica que há infraestrutura para armazenamento" mostra que esses analfabetos tecnológicos não conseguem entender o óbvio: não existe infraestrutura de armazenamento capaz de armazenar tudo que circula pelo WhatsApp!!!

Deixe uma resposta para Luiz Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

I accept the Privacy Policy

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.